Fisioterapeuta elogia preparo do Baixinho

30/01/2006 às 12h25 - FUTEBOL

Se não é fã de treinamento, Romário ao menos é um aluno dedicado aos trabalhos do seu fisioterapeuta particular, Marcelo Moutinho, o Rato. Já que não aparece todos os dias em São Januário para treinar com os companheiros, na fisioterapia o atacante não costuma fazer feio.

\"Ele leva muito a sério o nosso trabalho, porque se não levar não tem como ele agüentar as partidas. A gente trabalha junto quase todo dia, fazendo muito alongamento e fortalecimento muscular\", disse ao Pelé.Net Rato.

O convívio entre os dois começou em 2004. Com vários amigos em comum, Rato foi indicado a Romário em janeiro daquele ano e passou a cuidar do centroavante fisicamente. Vai junto com o camisa 11 para São Januário ou senão aplica as tarefas na própria residência do Baixinho.

\"Quando não vamos para São Januário trabalhamos na academia da casa dele. Muita gente diz que o Romário não treina, mas trabalhamos praticamente todos os dias da semana. Em casa, ele pedala, faz corrida na esteira, musculação. Quando é somente atividade de corrida, às vezes vamos para outro lugar, para a praia\", disse o fisioterapeuta.

Aos 34 anos, Rato iniciou sua carreira como estagiário do fisioterapeuta Nilton Petroni, o Filé, que na década de 1990 cuidou da recuperação do próprio Romário para que o astro disputasse a Copa do Mundo de 1990 e, posteriormente, de Ronaldinho.

Depois de trabalhar no Tio Sam (futsal), Botafogo e Fluminense, assumiu a condição de fisioterapeuta do Baixinho. Convivendo há mais de dois anos com o centroavante, afirmou que Romário está em perfeitas condições físicas para continuar atuando.

\"Ele está no peso. Ele cuida do corpo, faz a dieta dele, mas não toma nenhum remédio e nem algo do tipo para ajudar a estar bem fisicamente. A única lesão séria que ele teve foi no tornozelo, antes da Copa de 1990. Falaram na Holanda [PSV] até que ele iria encerrar a carreira. Ele está aí hoje, com 40 anos e sem nenhum problema de articulação\", disse Rato, que prefere não fazer previsão de quando Romário irá pendurar as chuteiras:

\"Não dá para prever. Ele mesmo diz que é imprevisível. Enquanto ele tiver objetivos, ele vai continuar. Agora ele quer chegar aos mil gols. E cuidando da alimentação e fazendo atividade física, pode continuar jogando\".

Fonte: Pelé.Net