Gols, para reanimar

30/07/2006 às 08h38 - FUTEBOL

Além de enfrentar o vice-líder do Brasileirão, o Vasco entra em campo hoje, às 16h, lutando também contra o desânimo após a perda do título da Copa do Brasil.
Ao vascaíno, frustrado com a derrota da última quarta-feira, dois bons motivos para ir a São Januário: ver a estréia do novo ataque, Edilson e Faioli, e assistir a um jogo que, pelo retrospecto recente, tem tudo para ser uma chuva de gols.

Nos últimos quatro confrontos entre Vasco e Cruzeiro, pelo Brasileirão, saíram nada menos que 22 gols - uma incrível média de 5,5 por partida. Em cada um desses jogos, o Vasco fez pelo menos dois gols.

Foram dois empates por 3 a 3, em 2005, e uma vitória de cada time por 3 a 2, em 2004.

Como Valdiram e Valdir Papel caíram em desgraça com o técnico Renato Gaúcho, Faioli ganhou a condição de titular ao lado de Edilson. O treinador explica sua opção, afirmando que o ataque só tem a ganhar com a nova formação.

- O Faioli tem característica de jogador de área, enquanto o Edilson se movimenta mais. São dois jogadores que se completam. Na Copa do Brasil, eu não podia usar o Faioli.

Ele tem presença e é dono de um bom chute - disse Renato.

O novo camisa 7 endossa as palavras do comandante.

- Acho que tem tudo para dar certo a dupla com o Edilson. Vou fazer mais o papel de centroavante, procurar finalizar - disse Faioli.

É claro que a derrota para o Flamengo ainda não foi esquecida. O clima ainda é de tristeza em São Januário. As tradicionais piadas e brincadeiras que davam o tom do ambiente do clube rarearam.

Mas Renato Gaúcho se esforça para reanimar o grupo. Um vitória sobre um time tido por todos como superior ao Vasco pode ser o pontapé ideal para a retomada da caminhada por melhores posições.

- A Copa do Brasil não volta mais. Quero que o time recupere a alegria de jogar. Nada melhor que um jogo após o outro - disse Renato, ainda de semblante fechado.

Fonte: Lance