Identidade Vasco emite nota sobre deliberação de empréstimo de R$ 20 milhões

19/06/2019 às 21h18 - CLUBE

“Precisamos aprovar o empréstimo, se não o Vasco pode cair” serve como o principal argumento usado nos debates e decisões que tem pautado o Conselho Deliberativo do Vasco da Gama. Infelizmente o CRVG encontra-se em situação financeira tão crítica que os argumentos se restringem ao risco do Clube piorar ainda mais. Essa combinação de urgência e acomodação acabam por ofuscar um histórico de mal feitos administrativos e inépcia da gestão atual do Gigante da Colina. Mais uma vez vivenciamos este discurso das soluções imediatistas e, verdadeiramente arriscadas.

A promessa de transparência e modernidade limitam-se a um discurso vazio e irresponsável, que se apropria de antigas práticas e padrões que ameaçam o Vasco financeiramente, institucionalmente, juridicamente e futebolisticamente. Sinceramente em qual destes aspectos o Clube traduz confiança?

Em meio a este contexto, já no limiar da crise do terceiro mês de atraso do pagamento de salários de funcionários e jogadores, surpreendentemente a administração pede autorização de empréstimo de 30 milhões! Por que esperou o cenário ficar inviabilizado? Por que um segundo empréstimo em pouco mais de 7 meses de aprovação do último de 38 milhões?

O Conselho Deliberativo aprovou 10 milhões como medida emergencial para cobrir as principais dívidas e sobretudo pagar funcionários. Aprovou no mesmo dia em que foi solicitado. Autorizou, não por confiar na administração, mas por desejar proteger o Vasco e seus trabalhadores. 10 milhões, equivalente a quase duas vezes e meia o patrocínio master do Vasco para 2019. Mas alega a diretoria administrativa que é insuficiente, mesmo tendo apresentando meses antes um balanço que o Vasco logrou ter mais de 60 milhões de superávit! Segundo o documento apresentado o Vasco tem uma administração contábil melhor do que os clubes mais ricos do Brasil. Orgulhava-se de exibir números estranhos que não puderam ser – até hoje – comprovados pelo Conselho Fiscal.

A atual administração não merece voto de confiança e tem se mostrado incapaz de administrar o Vasco com a transparência, equilíbrio e independência desejada. Valores que não podem ser ignorados, mesmo nas crises. Cabe aos conselheiros e conselheiras do Vasco refirmarem sua atribuição e responsabilidade de fiscalização e acompanhamento da gestão.

Por esta razão o Grupo Identidade Vasco, apesar de ser oposição da atual administração, votou a favor do empréstimo de 10 milhões autorizado no início do mês, e mantém posição restritiva a concessão de nova quantia salvo pelo estabelecimento explícito de condicionantes vinculantes ao uso dos novos valores.

Coletivamente, estabelecemos a posição de votação negativa ao acréscimo de 20 milhões ao empréstimo, salvo sejam estabelecidas condicionantes, tais como:

1. Restrições das despesas a serem pagas com estes valores (limitadas aos pagamentos de salários por exemplo);

2. Imediata e plena transparência dos recursos adquiridos e gastos;

3. Aquisição dos recursos através de instituição financeira e com juros condizentes;

Buscar soluções imediatas para o Vasco não pode significar comprometer seu futuro, ou expor o Vasco a riscos jurídicos e institucionais.

Identidade Vasco. O Vasco é nossa identidade

Rio de Janeiro, 19 de Junho de 2019.

Fonte: Facebook Identidade Vasco