Ídolo do Vasco, Geovani fala sobre Zé Ricardo e Alexandre Campello

01/03/2018 às 09h09 - FUTEBOL

Quase 13 anos atuando como atleta profissional no clube, 362 jogos oficiais disputados, 15 taças erguidas, adorado por milhares de torcedores e um lugar cativo entre os maiores jogadores da história do Vasco. A trajetória do capixaba Geovani Silva no time de São Januário justifica o status de ídolo com o qual é tratado no Gigante da Colina sempre que visita o Rio de Janeiro. Prestígio construído com dribles espetaculares, técnica apurada e profissionalismo único.

Mas o carinho também percorre um caminho inverso tratando-se de Geovani Silva. O amor que recebe dos torcedores e o respeito que o Vasco tem por ele é recíproco. Tanto que, no próximo domingo (04), às 19h30, quando o Cruz-Maltino entre em campo no Kleber Andrade, em Cariacica, para encarar o Boavista, o ex-jogador vascaíno vai marcar presença no estádio. Contudo, isso só será possível porque Geovani cancelou uma viagem que estava programada. Ao ser perguntado sobre o motivo do cancelamento: “Quero assistir meu Vasco.”

“Já tinha combinado de fazer uma viagem... vou deixar para a próxima para poder assistir ao jogo do Vasco aqui no Espírito Santo. E acho que esse jogo acontecer aqui agora será muito importante para a equipe. Digo isso porque quando eu jogava no Bologna, na Itália, a gente fazia partidas em outras cidades, onde as cobranças eram menores, e o carinho do torcedor nos motivava a querer melhorar nosso futebol. Então, acho que o Vasco vir para cá, já que sempre é bem recebido, será algo bom para o elenco”, afirmou Geovani Silva.

O ex-meia vascaíno também aproveitou a oportunidade para comentar sobre o atual momento que o clube atravessa. Geovani se disse contente com a posição do técnico Zé Ricardo por optar em se manter no comando do time visando a disputa da Taça Libertadores. Além disso, destacou a amizade que tem com Alexandre Campello, atual presidente do Vasco.

“O Zé Ricardo ficar é algo positivo, pois acredito que ele tenha exigido a chegada de reforços e fica mais fácil ele apontar nomes. Hoje o Vasco precisa de pelo menos um reforço em todos os setores do time. Infelizmente o grupo não é dos melhores para o Zé Ricardo poder trabalhar com tranquilidade. A Libertadores é uma competição complicada, que exige bastante, então, tem que contratar. Quanto ao Campello, que foi meu médico quando joguei no Vasco e hoje é meu amigo, desejo sorte ao trabalho e sucesso no comando do clube”, concluiu Geovani.

Fonte: Gazeta Online

Enquete

Você é favorável ao retorno de Antônio Lopes no cargo de dirigente?

Deixe seu comentario