Lembra dele? Pedro Zandonaide brilha em torneios de tênis

16/09/2019 às 08h10 - IMPRENSA

No Costa Verde Tennis Clube, em Salvador (BA), Pedro Zandonaide de 62 anos - não aparentados pela vista - dá suas raquetadas com a mão esquerda na Copa Atakadão Atakarejo, torneio Mundial Seniors de tênis. Há mais de 26 anos nas quadras em algo que começou apenas como um hobby, Zandonaide hoje tem neste esporte uma das paixões de sua vida.

Mas antes da bolinha amarela em torneios de veteranos de tênis, ele já brilhou no Maracanã lotado vestindo a camisa do Vasco da Gama, Bahia e do Sporting Lisboa no fim da década de 70 e começo dos anos 80.

Pedro viveu uma das maiores emoções de sua vida quando ajudou o Vasco a ser campeão do Carioca de 1977 sobre o arquirrival Flamengo no Maracanã com mais de 150 mil pagantes.

O meia recém-saído dos juniores tinha apenas 18 anos quando foi chamado pelo técnico Orlando Fantoni para entrar na partida decisiva, aos 20 minutos do segundo tempo.

“Foi uma emoção muito grande e era uma responsabilidade grande. Eu só conseguia ver as cabecinhas das pessoas, não tinha como ver o corpo delas porque estava lotado. Eu pensei: ‘É muita gente olhando para nós!’”, disse, ao ESPN.com.br.

O duelo terminou empatado em 0 a 0 e foi para as penalidades. Na quarta cobrança, o jovem Tita parou na defesa do goleiro Mazzaroppi. Zandonaide chutou com força e venceu Cantarelli.

“Eu tinha treinado exaustivamente para cobrar pênaltis na semana e entrei exatamente para isso. Depois que acertei, o título estava 90% garantido porque o Zico e o Roberto Dinamite não iam errar. Fomos campeões praticamente na minha batida (risos)”, afirmou.

A conquista quebrou uma fila de sete anos sem conquista do Campeonato Carioca pelo time da Colina.

“Fazia tempo que o Vasco não ganhava, foi uma comemoração muito legal. Era bem novo e fomos para churrascaria com todo o elenco e a diretoria”, recordou.

Além da conquista, Zandonaide se recorda com carinho da convivência com os astros Roberto Dinamite e o zagueiro Abel Braga, que depois virou um treinador de sucesso.

“O Roberto era muito bacana e conversamos quando fui para o Rio. Tenho muita admiração pelo Abelão, um cara muito honesto e de respeito”, contou.

"Joguei contra Tita, Adílio, Andrade e Zico. Foi muito legal porque joguei com os caras tops do Brasil pelas duas equipes. Foi uma convivência bem legal e um grande aprendizado", admitiu.

Em 79, o meia estava sem espaço no time da Colinha, que havia sido vice do Brasileiro, e foi para a Europa.

“Um representante da Peugeot no Rio era conselheiro do Sporting em Portugal me levou para lá. Eu passei cerca um ano e joguei em um time que tinha uns quatro ou cinco brasileiros. Fomos vice-campeões da Taça de Portugal [perdendo a final para o Boavista]”.

Após voltar ao Brasil, ele defendeu o Vasco mais um tempo e jogou pelo Bahia – foi campeão baiano de 1982 ao lado de Beijoca e Dadá Maravilha – antes de ir ao Deportivo Itália, da Venezuela, em 1982. Depois de um ano, o meia resolveu pendurar as chuteiras.

“Minha carreira foi legal, não tive uma expressão extraordinária, mas conquistei títulos. Foi uma trajetória não muito longa, mas guardei boas lembranças. Eu estava me machucando muito, tendo problemas musculares e físicos. Meu irmão teve uma esclerose múltipla e os negócios da minha família em Uberaba-MG sobrecarregaram meu outro irmão. Resolvi parar de jogar, juntei um dinheiro e voltei para casa”, afirmou.

Aos 25 anos, Pedro Zandonaide entrou na sociedade nos negócios da família de lojas de materiais de construção com seus outros irmãos. “Hoje em dia eu tenho uma loja sozinho de revestimento, argamassas e outras coisas”.

Ao voltar para Uberaba, passou a cuidar dos negócios e acabou retomando o contato com o tênis, esporte que descobriu nos tempos de Vasco.

"Eu ia nas horas vagas para as quadras de tênis e um dia pedi ao professor para jogar um pouco. Ele disse que eu levava jeito e achou que já tinha jogado, mas nunca tinha pegado numa raquete na minha vida. Eu tinha acertado todas as bolinhas”, contou.

O amor pelo esporte o fez viajar para ver o Aberto de São Paulo e o Masters de Miami, nos Estados Unidos. Na Flórida, ele conheceu José Roberto Guimarães, técnico da seleção feminina de vôlei, outro apaixonado por tênis.

“Ele joga muito bem e nos encontramos depois em Uberaba, quando a seleção fez uns amistosos. Depois do jogo do Brasil, eu bati um papo com ele e jogamos um pouco”, afirmou.

Depois de muitos anos jogando apenas em Minas Gerais, Zandonaide entrou no circuito sênior de tênis por meio de um convite de um amigo.

“Eu me entusiasmei e fui para Brasília jogar e consegui ser semifinalista. Aquilo em motivou ainda mais e resolvi aproveitar um pouco a minha vida”, explicou.

“É um tenista muito clássico e faz todos os movimentos todos perfeitos: smash, saque e voleio. Não deixo de gostar do Nadal, mas ele é o meu inspirador”, elogiou.

No último torneio que disputou, o Torneio Mundial Seniors de tênis em Salvador, ele foi até a semifinal do simples e nas duplas, mas foi atrapalhado por uma contusão muscular na coxa.

“Estamos curtindo o evento, que é muito bacana, e a cidade”, observou.

A única coisa que deixa Zandonaide chateado neste momento é a situação de seu ex-clube, que nos últimos anos lutou contra rebaixamentos e problemas políticos.

“O Vasco não deveria estar assim, sempre esteve entre os primeiro do Brasil e teve times ótimos. Infelizmente é que as gestões não surtiam efeito e não trouxeram benefício nenhum para o Vasco. Às vezes é muito oba oba e não se faz nada pelo Vasco”, finalizou.

Fonte: ESPN Brasil