Lesões vira tema político no Vasco

29/05/2018 às 08h00 - FUTEBOL

As lesões recorrentes de jogadores do Vasco têm dado muito mais que dores de cabeça ao técnico Zé Ricardo. A situação agora virou motivo para brigas políticas no conturbado ambiente do clube.

Após a derrota para o Bahia por 3 a 0 em Salvador (BA) – quando Kelvin, Bruno Silva e Rafael Galhardo deixaram o campo lesionados - o ex-vice de futebol Eurico Brandão, o Euriquinho, filho de Eurico Miranda, não poupou críticas ao planejamento da atual diretoria e criticou a demissão do ex-gerente científico Alex Evangelista, idealizador do Caprres (Centro Avançado de Prevenção, Recuperação e Rendimento Esportivo).

Por conta da política e de alguns torcedores que só pensam nela o Vasco jogou fora um dos seus maiores projetos nos últimos anos, o CAPRRES!!! Saímos de até 10 lesões por ano para mais de 10 por mês. Futebol sem saúde não existe.

— Eurico Angelo Brandão De Oliveira Miranda (@euricobmiranda) 27 de maio de 2018
Isso tudo com um presidente Médico!!!

— Eurico Angelo Brandão De Oliveira Miranda (@euricobmiranda) 27 de maio de 2018
Com 3 jogadores sendo substituídos por lesão a cada partida nenhum time sobrevive. Continuem fazendo política fakes da internet. Burros. Nosso time está doente, se não tratar morre.

— Eurico Angelo Brandão De Oliveira Miranda (@euricobmiranda) 28 de maio de 2018
CAPRRES!!! "P" de PREVENÇÃO. Jogadores chegavam 1 hora antes dos treinos e ficavam 1 hora depois para cumprir um protocolo para prevenir lesões. O mesmo era feito nas partidas. Isso tudo acabou e o resultado está aí. Parabéns aos envolvidos.

— Eurico Angelo Brandão De Oliveira Miranda (@euricobmiranda) 28 de maio de 2018
Estes mesmos atletas, com saúde, chegaram a libertadores. Doentes vamos para o fundo do poço. Não são ruins como falam simplesmente estão doentes.

— Eurico Angelo Brandão De Oliveira Miranda (@euricobmiranda) 28 de maio de 2018
Porém, antes de ser demitido, o próprio Evangelista foi alvo de diversas críticas, fato que deixou a situação insustentável. Com sua saída após a posse do presidente Alexandre Campello, que é ortopedista, uma grande reformulação no departamento médico foi feita e três sócios do mandatário foram empregados, o que gerou denúncia e investigação no Conselho Deliberativo.

Na ocasião, Campello precisou dar explicações perante os conselheiros junto com outras acusações, num processo que quase culminou na abertura de um impeachment. Atualmente, os quadros quem mais têm gerado críticas são os dos meias Giovanni Augusto e Thiago Galhardo, que volta e meia têm apresentado contusões.

Para a partida desta quarta-feira, contra o Paraná, em São Januário, Zé Ricardo poderá não contar com até cinco jogadores por conta de lesão: Kelvin, Bruno Silva, Rafael Galhardo, Thiago Galhardo e Werley.

"É sempre muito triste ver atletas com lesões, já passei por isso. Mas as ocasiões criam oportunidades, prefiro ver dessa forma. Vamos pensar positivo, porque quem entrar vai nos ajudar a conseguir o resultado positivo. Todos trabalham de maneira séria", declarou o goleiro Fernando Miguel.

Rildo, se recuperando de uma luxação no ombro esquerdo, e Paulinho, em tratamento de uma fratura no cotovelo direito, são outros que completam o departamento médico.

O caso mais grave e que gera mais polêmica é o do volante Marcelo Mattos, que há quase dois anos não atua por conta de problemas recorrentes nos joelhos. Sua situação gerou até atritos com Alex Evangelista ano passado e no inicio de 2018.

Fonte: UOL Esporte

Enquete

Você é favorável ao retorno de Antônio Lopes no cargo de dirigente?

Deixe seu comentario