Lula sanciona Timemania e diz que dirigentes esportivos são honestos!

15/09/2006 às 03h28 - POLÍTICA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, diante de uma platéia de dirigentes esportivos, jogadores, ex-atletas e políticos, sancionou ontem, no Palácio do Planalto, o projeto de lei que cria a Timemania, uma nova loteria administrada pela Caixa Econômica Federal, que terá parte das receitas - 22% dos R$ 500 milhões previstos de arrecadação anual - revertida para quitar as dívidas dos clubes com o governo federal.

O presidente, no discurso que fez, afirmou que \"a relação que estamos estabelecendo com vocês não é uma relação do toma-lá-dá-cá - é uma relação civilizada, de homens e mulheres civilizados, que se reúnem com governantes civilizados e estabelecem regras que possam, da forma mais transparente possível, nortear os passos que temos que dar para recuperar o futebol brasileiro.\"

A Timemania funcionará da mesma forma que a Quina ou a Mega Sena. Só que, no lugar dos números, aparecerão os escudos dos times das séries A, B ou C do Campeonato Brasileiro. As dívidas dos clubes poderão ser parceladas em até 180 meses. Enquanto houver dívidas, os recursos da Timemanina serão repassados automaticamente pela CEF aos credores dos times. Após a quitação dos débitos, os clubes de futebol terão recursos para investir e qualificar atletas de base. \"Nós, torcedores, só conhecemos os jogadores até os 20 anos. Hoje já estão comprando garotos de 10, garotos de 12, garotos de 15 anos. Daqui a pouco, vão à maternidade\". disse Lula.

Para o presidente, \"a loucura que é o futebol precisa ser tratada sem loucura, precisa ser tratada com seriedade\". Lula lembrou que o Brasil precisa ir se reestruturando, porque pleiteia ser sede da Copa do Mundo de 2014. \"Hoje, pelos critérios da Fifa, nós não temos nenhum estádio em condições de sediar os jogos. Significa que, se nós estamos pleiteando, vamos ter que pensar, no mínimo, em construir 12 novos estádios neste país.\"

Lula também defendeu os dirigentes esportivos, responsabilizados pela crise na gestão do futebol brasileiro. Disse que a Itália, tetracampeã mundial, com freqüência enfrenta denúncias de corrupção e o futebol não perde o profissionalismo. \"A coisa mais simples é você jogar a pecha de desonesto em cima de alguém\", criticou.

Fonte: Valor Econômico/SUPERVASCO.COM