Maxi é responsável direto por mais de 70% dos gols do Vasco

10/11/2018 às 09h26 - FUTEBOL

Quando o Vasco da Gama anunciou a contratação de Maxi López, muitos – inclusive este que vos escreve – torceram o nariz. Não que se trate de um jogador limitado. Maxi nunca esteve no primeiro time de centroavantes do futebol mundial. Até passou por períodos de destaque na carreira, sendo inclusive contratado pelo Barcelona com apenas 19 anos de idade, mas nunca confirmou a impressão inicial que deixou no River Plate e nas seleções de base da Argentina.

A grande incógnita era a forma física e técnica do agora experiente atleta. Antes de desembarcar no Cruzmaltino, foram pelo menos cinco temporadas abaixo da média no futebol italiano. O tempo, porém, passou, e ‘’La Barbie’’ prova com desempenho e números que foi a melhor contratação do Gigante da Colina nos últimos anos.

Por mais que tenha participado de um número relativamente baixo de jogos no Brasileirão 2018, foram 15 desde a sua chegada em julho, o camisa 11 do Vasco atingiu uma marca que nenhum outro atleta da competição conseguiu. Se formos medir a contribuição dele convertida em participação direta nos gols e, consequentemente, na influência de pontos conquistados pelo clube, o clube carioca certamente estaria em posição inferior no campeonato. A cada dez gols do Cruzmaltino, sete passam diretamente pelos pés do argentino. E dos 18 pontos conquistados com a atacante em campo, 13 foram obtidos a partir de gols ou assistências dele.

Obviamente o futebol é um esporte coletivo e nada pode ser avaliado de forma simplista, mas até olhando sob esta ótica podemos perceber claramente a influência de Maxi Lópes no jogo do Vasco. Adepto de um futebol de bola no chão, trocas curtas de passe e ataque mais ‘’posicional’’, Alberto Valentim têm montado um Gigante da Colina mais voltado para servir as características de Maxi. Não que o centroavante não tenha qualidade técnica para jogadas mais trabalhadas, mas o ponto forte de seu estilo atual é a imposição física sobre os zagueiros, a proteção de bola e a capacidade de abrir espaço para os companheiros.

Existe ‘Maxidependência’ no Vasco?

Foto: Esporte 24 horasNúmeros de Maxi Lopez
Números de Maxi Lopez

Diante disso, o Vasco passou a adotar um futebol mais pautado na ‘’bola direta’’ para Maxi ‘’aparar’’. A própria sequência de Fabrício como titular na meia-central do 4-2-3-1 da equipe, e a entrada de Marrony no time têm a ver com isso. São dois atletas de pouca articulação e mais potência física, ‘’atacam’’ os espaços em cima da última linha defensiva do oponente, e somados a Yago Pikachu potencializam essa virtude de López.

Acredito que fisicamente o gringo ainda possa evoluir bastante. Mesmo se tratando de um jogador com 34 anos, sua silhueta ainda causa desconforto a um profissional. Talvez com uma boa pré-temporada e ambiente que permita descanso em alguns jogos menos importantes, Maxi López possa render ainda mais com a camisa do Vasco. Caso contrário, já vem marcando o seu nome no coração do torcedor e na história recente do clube. Se o Gigante da Colina de fato evitar o seu quarto rebaixamento, o argentino merece ser o protagonista neste conto.

Fonte: Esporte24Horas