MUV responde nota de Eurico Miranda sobre certidão do INSS

03/08/2007 às 22h07 - POLÍTICA

Em razão da nota emitida pelo presidente interino do Vasco, nesta sexta-feira (3/8), o Movimento Unido Vascaíno (MUV) esclarece que:

1. Somos um movimento criado e composto por vascaínos, sócios e torcedores. O MUV luta e sempre lutou por um Vasco forte, vencedor e íntegro. Nas duas últimas eleições o MUV reuniu em torno de suas propostas para a gestão do clube, grandes beneméritos, beneméritos e sócios que juntos representam desde então, a maioria dos sócios legalmente constituídos e seguramente a maioria da família vascaína em todo Brasil.

2. Como vascaínos, além de torcedores, elegemos conselheiros para nos representar junto aos poderes do clube e assumimos nossas responsabilidades. Cabe aos conselheiros se inteirar da realidade da administração e debatê-la com outros vascaínos, buscando sempre as melhores soluções. Por isso, quaisquer críticas são sempre direcionadas aos dirigentes, responsáveis diretos pela administração do clube.

3. Como vascaínos, não podemos nos conformar com decisões administrativas negligentes apoiadas em delírios jurídicos, como a que causou prejuízos da ordem de R$ 3,5 milhões, para tentar encobrir uma inadimplência de mais de R$ 4,3 milhões, junto ao INSS. O presidente interino deveria vir a público explicar mais esse prejuízo causado aos cofres do clube e assumir sua irresponsabilidade no caso, ao invés de se esconder, como de costume, atrás de infundados ataques à posição.

4. Os conselhos do clube, durante os últimos seis anos, não receberam qualquer informação confiável, sobre a real situação administrativo-financeira do Vasco. Continuam sendo omitidos do passivo declarado, no Balanço Patrimonial, centenas de ações trabalhistas, cíveis e fiscais, mesmo aquelas que já estão em fase de execução.

5. O Vasco, desde novembro de 2006, quando a Terceira Turma Especializada, do Tribunal Regional Federal, revogou a sentença que permitia compensação de crédito de terceiros, voltou a situação de devedor do INSS, inscrito na dívida ativa. Desde então, não é possível a emissão de qualquer Certidão Negativa.

6. O presidente interino insiste em enganar os vascaínos quando fala do nosso patrimônio: A sede Barra, um imóvel alugado, que durante três anos sobreviveu explorada pelo Colégio Faria Brito, agora sofre Ação de Despejo por falta de pagamento de aluguel há mais de um ano; a sede de São Januário, nesta administração, tornou-se objeto oferecido a penhora de toda e qualquer execução judicial que a atual diretoria não teve como pagar.


O MUV reafirma seu compromisso com o diálogo e em manter toda a família vascaína informada da realidade do clube. A atual crise por que passa a administração do Vasco só será resolvida após a realização de eleições limpas, que respeitem a vontade dos sócios.

Por Amor ao Vasco!
José Henrique Coelho
Presidente do MUV

Fonte: Assessoria de Imprensa do MUV