Opinião: O Vasco não pode ser confundido com Eurico Miranda

20/07/2007 às 19h04 - IMPRENSA

Mais do que em qualquer outra, na editoria de Esportes o leitor-torcedor quer ver boas notícias, quer festa para o seu time. É importante que os jornais, as rádios, a TV e a Internet dêem voz a essa euforia da torcida. Quando um time está bem, justifica-se festejar e valorizar a boa fase. Mas deve haver também espaço para a cobertura crítica de um clube. Mesmo quando uma equipe está no auge, os bons resultados em campo jamais poderão servir de pretexto para a omissão de uma reportagem negativa sobre o clube - desde que jornalisticamente fundamentada.

Outra ressalva importante a ser feita é com relação ao cuidado para não confundir o clube com os dirigentes que o representam. É muito comum, por exemplo, que torcedores do Vasco tenham a sensação de que seu clube é perseguido pela imprensa por causa da série de matérias negativas sobre o presidente do clube, Eurico Miranda. O Vasco é uma instituição centenária, com uma das mais bonitas histórias do futebol brasileiro. O time de São Januário foi, por exemplo, pioneiro na inclusão de jogadores negros às equipes. Com freqüência a imagem de Eurico se confunde com a do Vasco, o que não nos parece correto. O comportamento do seu presidente, notadamente à margem da lei tanto na esfera esportiva quanto na política, não deve interferir na cobertura do clube.

Fonte: Blog Anti-Jogo - Miguel Caballero e Thayssa Plum