Opinião: Romário não quer que eu elogie

12/02/2007 às 08h47 - FUTEBOL

Impressionante a performance do Romário contra o Volta Redonda. Eu já estava me preparando para elogiar o cara, quando ele deixou o gramado ao fim do jogo cheio de marra, sem querer dar entrevista, num flagrante desrespeito não só ao repórter que se aproximou dele, como também aos torcedores vascaínos que, por todos os motivos, queriam ouvi-lo. Sendo assim, repensei o que aconteceu nesse jogo com o Volta Redonda o que me fez chegar a uma conclusão estarrecedora. Romário jogou recentemente no futebol árabe e no futebol australiano, como se sabe duas potências do futebol mundial (brincadeirinha heim pessoal. É aquela técnica que o João Ubaldo tão bem usa nas suas colunas: de dizer o contrário do que realmente pensa), e o que aconteceu: saiu de lá sem fazer um gol sequer (ou chegou a fazer um ou dois, o que não faz grande diferença) . Aí numa partida do decantado futebol brasileiro, em 15 minutos, ele faz três gols, com a maior facilidade do mundo. Das duas uma: ou os zagueiros do Volta Redonda também estão de saco cheio dessa história dos mil gols e resolveram dar uma força para abreviar esse processo, ou, o que me parece mais lógico, o nível do nosso futebol anda mais baixo que o ibope de novela das seis. Pelo jeito, em nenhuma outra parte do planeta ele chegaria mais rápido aos tais mil gols.

Nota do SUPERVASCO.COM: Enfatizamos que a matéria é a opinião é do Jornalista Roberto Sander. O SUPERVASCO, ao publicá-la, apenas dá prosseguimento à sua missão de bem informar o internauta Vascaíno e de deixar para que o mesmo tire suas próprrias conclusões sobre o que lê.

Fonte: Blog de Roberto Sander