Philippe Coutinho é "entrevistado" por companheiro João Pedro

21/10/2009 às 11h07 - CATEGORIAS DE BASE

\"\"

O meia Philippe Coutinho, do Vasco, se preparava para responder a uma pergunta da reportagem do GLOBOESPORTE.COM, no embarque da seleção sub-17, que disputará o Mundial da categoria, na Nigéria, quando apareceu o companheiro João Pedro com um microfone.

– Como foi a preparação do grupo para o Mundial? – perguntou o “repórter por um dia” João Pedro, do Atlético-MG.

– Nos dedicamos bastante nos treinamentos, mas temos a grande estrela que é o João Pedro, e esperamos que ele possa resolver os nossos jogos – respondeu Philippe.

– E quem é o João Pedro? – indagou novamente.

– João Pedro é o mais feinho do grupo, que parece um esquilinho – disse.

– Mais que você? – retrucou.

A brincadeira, quase sempre sadia, faz parte da rotina dos jovens. Mais do que fazer um gol, vencer um jogo ou conquistar um título, eles querem um motivo para sorrir. E nada mais propício do que um regime de concentração integral para que todos possam se distrair, desfilar bom humor e... colocar o sono de adolescente em dia.

– Nos momentos de lazer, procuramos ficar sempre juntos, brincando, até porque o estresse de treinamentos é muito grande. Mas acho que nas concentrações eu mais dormi do que brinquei, porque foi tudo muito cansativo... O bom é que sempre tem os palhaços do grupo para alegrar. É importante porque a gente fica muito tempo trancado, concentrado, longe de quem gostamos, e eles, jogadores e comissão técnica, acabam sendo a nossa família nesses dias – afirmou o lateral-esquerdo Dodô, do Corinthians, que viu o adulto Ronaldo reclamar das seguidas concentrações antecipadas do Timão.


Romário é o caçula da seleção sub-17

A pouca idade, no entanto, os privaram de acontecimentos importantes. A queda do Muro de Berlim, o impeachment do ex-presidente Fernando Collor e tetracampeonato brasileiro na Copa do Mundo de 1994, por exemplo, não estão sequer em suas memórias. O lateral-esquerdo Romário, do Vitória, e xará do craque consagrado, sofre por ser o mais novo. Ele tem apenas 15 anos.

– Sou o caçula da galera e, por isso, a responsabilidade acaba sendo muito grande. Mas todos me receberam de braços abertos e hoje tenho um vínculo enorme com o grupo. Às vezes brincam dizendo que sou “gato”, mas é na África que tem um monte. Pelo que vi na internet outro dia, encontraram 13 jogadores acima dos 20 anos para esse Mundial, todos quase avôs e cheio de filhos – disse, em tom bem-humorado.

Um dos menos moderados é o santista Neymar. A cara de menino não engana: ele já planeja até comemorações, caso faça gols no Mundial.

– Estamos treinando algumas comemorações para colocar em prática. E também para aperfeiçoar uma comemoração especial – prometeu Neymar, que não quis revelar nenhum detalhe. Apenas que é imbatível nos torneios de videogame.

– O momento até sexta-feira é de brincadeira, descontração, lazer, mas quando chegar na sexta-feira, véspera da estreia, pode ter certeza de que mudará tudo – afirmou.

E que Neymar abra mesmo o olho com a diversão. O capitão Gerson, com fala mansa e segura, garante que está em cima. E com ele não se brinca...

– Normalmente eu ajudo mais a coordenar, dando toques para as pessoas. E o Lucho (treinador) diz uma coisa que faz sentido. Não fui nem eu que me elegi, foi todo o grupo que me aceitou e me colocou nesse posto. Então, eu lido mais em amenizar quando há algum problema, levantar o time quando tem que levantar, esse tipo de situação. O que não me impede de ser o mais bobo na hora das brincadeiras – contou.

A seleção brasileira estreia no Mundial Sub-17 no próximo sábado, às 16h (de Brasília), contra o Japão, pelo Grupo B. México e Suíça completam a chave.

Fonte: GloboEsporte.com