Mercado

Relembre as contratações da gestão de Alexandre Campello

2

Apesar da indefinição sobre o próximo presidente do Vasco, a gestão de Alexandre Campello se encaminha para o final e, com ela, o fim do ciclo de contratações. Com o encerramento do prazo de inscrições para o Campeonato Brasileiro, não chegarão mais reforços até 15 de janeiro, quando o dirigente deixará o comando do clube.

Ao longo de três anos, entre 2018 e 2020, foram 43 contratações. Uma média de 14,3 reforços por temporada. O ge avaliou todos, com classificações de 0 a 5 estrelas, e fez um perfil dos jogadores que chegaram ao Vasco na era Campello. Você sabe qual posição foi mais reforçada? E em qual temporada o clube trouxe mais jogadores? Quantos estrangeiros foram contratados?

Foram muitos nomes, alguns badalados, outros nem tantos. Fato é que poucos conseguiram marcar o nome na história do Vasco. Entre muitas apostas e um punhado de erros, o maior acerto certamente foi Germán Cano. O argentino foi o único a receber cinco estrelas, pontuação máxima.

Vários aspectos foram levados em conta. O principal, é claro, o desempenho em campo. O carinho da torcida, número de jogos, expectativa na contratação, valores investidos e a forma como deixaram o clube também foram avaliados. O fator título teria um peso extra, mas no período o Vasco conquistou apenas uma Taça Guanabara, em 2019.

Dos 43 reforços, apenas dois não foram avaliados. Última contratação da gestão de Campello, Jadson fez apenas dois jogos. Além dele, o angolano Toko Filipe, contratado como aposta, sequer está treinando com o elenco principal e ainda não entrou em campo. Como seu contrato vai até outubro de 2021, o tempo dirá se sua contratação foi um acerto ou não.

Durante sua gestão, Campello não foi o único responsável pelas contratações. No período, foram dois vice-presidentes de futebol (Fred Lopes e José Luis Moreira) e quatro executivos na pasta (Paulo Pelaipe, Newton Drummond, Alexandre Faria e André Mazzuco). Além deles, o Vasco teve sete treinadores no período: Zé Ricardo (estava no clube quando Campello assumiu), Alberto Valentim, Jorginho, Vanderlei Luxemburgo, Abel Braga, Ramon Menezes e Ricardo Sá Pinto. E esse número ainda pode aumentar, uma vez que o português está ameaçado no cargo.

Sem dinheiro em caixa, o Vasco, ao longo dos últimos três anos, foi atrás de oportunidades de mercado, jogadores com algum nome que estavam em baixa em outros clubes ou apostas. Medalhões foram poucos, casos de Castan, Máxi Lopez e Bruno César.

Em 2018, com o time na Libertadores e o planejamento iniciado pela antiga gestão de Eurico Miranda, o Vasco contratou 13 jogadores durante a presidência de Campello. A temporada seguinte foi quando o clube mais foi ao mercado, trazendo 18 atletas. No ano derradeiro, foram 12 contratações.

O ataque foi a posição mais reforçada durante a gestão de Campello. Ao todo, foram 12 jogadores para o setor. No período também chegaram nove volantes e oito meias. Curiosamente, foram apenas dois goleiros: Fernando Miguel e Sidão.

Dos 43 jogadores contratados no triênio, nove são estrangeiros. Ou seja, 21% dos reforços não nasceram no Brasil. Alguns deles, aliás, foram bem, casos de Cano, Benítez, Maxi López e Guarín. A Argentina foi o país que mais teve atletas chegando ao clube no período: quatro.

Goleiros

O Vasco trouxe apenas dois goleiros nos últimos três anos. Contratado em 2018 para substituir Martín Silva durante as convocações do titular, Fernando Miguel desbancou o uruguaio, que acabou deixando o clube no fim do ano. Na temporada seguinte, o Vasco trouxe Sidão quando Fernando Miguel sofreu uma lesão. O ex-goleiro de Botafogo, São Paulo e Goiás, no entanto, não vingou em São Januário.

  • Fernando Miguel: chegou em 2018 e desbancou Martín Silva. Embora não seja unanimidade, desde o fim daquele ano é titular do gol do Vasco e teve o contrato renovado neste ano.
  • Sidão: falhou em jogo contra o Santos e teve passagem apagada por São Januário.

Laterais

O Vasco contratou seis laterais no último triênio, mas, curiosamente, dois nomes que já estavam no clube antes de 2018 acabaram sendo os titulares das posições durante a maior parte do período: Yago Pikachu e Henrique. Com a má fase dos dois, no entanto, os recém-contratados Léo Matos e Neto Borges vêm tendo oportunidades com Sá Pinto. A nova dupla, porém, ainda não se firmou.

  • Cáceres: após início animador, perdeu espaço e pouco jogou
  • Cláudio Winck: outro que não rendeu na Colina. Chegou a ser afastado no início do ano. Em setembro foi negociado com o Marítimo
  • Danilo Barcelos: nem o gol do título da Taça Guanabara, em 2019, fez o jogador cair nas graças da torcida
  • Léo Matos: indicado por Sá Pinto, virou titular na direita
  • Lenon: lesionou-se na estreia e pouco jogou
  • Neto Borges: ainda está devendo uma grande atuação, mas virou titular com Sá Pinto

Zagueiros

Foram seis zagueiros contratados na gestão de Alexandre Campello. De longe, quem deu mais certo foi Leandro Castan. Na Colina desde 2018, virou titular absoluto, capitão e liderança do elenco. Não vive boa fase, mas tem crédito com a torcida. Recém-contratado, Jadson não foi avaliado.

  • Jadson: chegou há pouco tempo, fez apenas dois jogos e ainda não teve tempo para mostrar serviço
  • Lucas Kal: emprestado pelo São Paulo, fez apenas um jogo pelo Vasco
  • Leandro Castan: embora não viva boa fase, é o capitão do time e um dos nomes mais importantes do Vasco desde 2018
  • Marcelo Alves: emprestado pelo Madureira, vem tendo oportunidades com Sá Pinto
  • Oswaldo Henríquez: formou boa dupla de zaga com Castan no Brasileirão de 2019
  • Werley: peça importante com Valentim e Abel, perdeu espaço sob o comando de Ramon Menezes. Não conquistou a torcida

Volantes

Foram muitos volantes contratados nos últimos três anos. Poucos deram certo. Quem mais agradou foi Guarín. O colombiano foi o principal nome do time na reta final do Brasileiro de 2019, com Luxemburgo. Neste ano, demorou a renovar, depois se machucou e pediu para ir embora por problemas pessoais.

Raul foi outro que teve passagem bem-sucedida, após chegar sem muita badalação do Ceará. A nova aposta é o argentino Léo Gil. Contratado em outubro, já mostrou qualidade, mas caiu de rendimento com a má fase do time.

  • Bruno Silva: começou bem, teve o contrato renovado, mas depois entrou na Justiça
  • Fellipe Bastos: em sua terceira passagem, teve um bom início no Brasileiro deste ano, mas perdeu espaço
  • Guarín: foi muito bem em 2019, caiu nas graças da torcida, mas em 2020 quase não jogou e pediu rescisão
  • Léo Gil: contratado em outubro, foi bem na estreia, mas vem oscilando nos últimos jogos
  • Lucas Mineiro: começou bem, foi eleito para seleção do Carioca de 2019, mas caiu de rendimento e foi embora
  • Marcos Júnior: vem recebendo oportunidades de Sá Pinto
  • Raul: titular por dois anos do Vasco. Acertou com o Bragantino em agosto
  • Richard: foi titular no Brasileiro de 2019, mas não teve o contrato renovado
  • Willian Maranhão: pouco jogou

Meias

Também foram muitas tentativas para comandar o meio de campo. O único que deu certo foi Martin Benítez. Atual camisa 10, ele é hoje o único jogador que inspira confiança na criação de jogadas. O problema é que o argentino está praticamente de saída. O Vasco ainda não selou a compra junto ao Independiente, e o empréstimo acaba no fim do mês.

  • Benítez: contrato no início do ano, é o principal articulador do time em 2020
  • Bruno César: nunca correspondeu às expectativas
  • Carlinhos: contratado no meio deste ano, teve bons momentos, mas ainda não se firmou
  • Felipe Ferreira: tinha potencial, mas ficou poucos meses no Vasco
  • Giovanni Augusto: conviveu com lesões e não se firmou
  • Lucas Perdomo: sequer jogou
  • Marquinho: ficou poucos meses em 2019 e foi mal
  • Valdívia: outro que não conseguiu render em São Januário

Atacantes

Setor mais reforçado no último triênio, o ataque do Vasco recebeu 12 novos jogadores na gestão de Campello. Entre eles, Germán Cano, atleta mais importante do time em 2020.

Seu compatriota, Maxi López, também fez barulho em São Januário. O argentino começou muito bem em 2018, mas caiu de rendimento na temporada seguinte.

Além dos centroavantes, muitos atacantes de lado foram contratados, mas quase ninguém deu certo. Quem mais agradou foi Rossi, que teve uma boa temporada em 2019.

  • Cano: maior contratação da gestão de Campello. Tem faro de gol e é responsável por 50% dos gols do time em 2020
  • Clayton: fez apenas sete partidas, uma como titular, e não marcou gol
  • Jairinho: disputou apenas quatro jogos pelo Vasco
  • Guilherme Parede: chegou, pouco jogou e foi embora
  • Gustavo Torres: chegou há pouco tempo e vem recebendo chances
  • Maxi López: foi bem quando chegou e conquistou a torcida. Teve problemas com a balança e saiu pela porta dos fundos.
  • Ribamar: teve inúmeras chances, mas nunca se firmou
  • Rossi: foi importante e titular durante 2019
  • Toko Filipe: ainda não jogou
  • Vinícius Araújo: chegou em 2018, passou por cirurgia e nunca convenceu
  • Yan Sasse: algumas boas atuações, mas não se firmou como titular
  • Ygor Catatau: estreou bem contra o Santos, fez um gol importante contra o Botafogo, mas depois teve poucas chances e ainda não engrenou
Fonte: ge
  • Quarta-feira, 20/01/2021 às 21h30
    Vasco Vasco 1
    Red Bull Bragantino Red Bull Bragantino 4
    Campeonato Brasileiro Estádio Nabi Abi Chedid
  • Sábado, 23/01/2021 às 21h00
    Vasco Vasco
    Atlético-MG Atlético-MG
    Campeonato Brasileiro São Januário
  • Quarta-feira, 27/01/2021 às 19h15
    Vasco Vasco
    Palmeiras Palmeiras
    Campeonato Brasileiro Allianz Parque
  • Domingo, 31/01/2021 às 16h00
    Vasco Vasco
    Bahia Bahia
    Campeonato Brasileiro São Januário
  • Quinta-feira, 04/02/2021 às 21h00
    Vasco Vasco
    Flamengo Flamengo
    Campeonato Brasileiro Maracanã
  • Quarta-feira, 10/02/2021 às 19h15
    Vasco Vasco
    Fortaleza Fortaleza
    Campeonato Brasileiro Castelão
  • 17/02 (qua) ou 18/02 (qui)
    Vasco Vasco
    Internacional Internacional
    Campeonato Brasileiro São Januário