Sub-12: Pedro Kallut revela que se espelha em Nenê, Paulinho e Evander

22/12/2017 às 10h28 - CATEGORIAS DE BASE

Uma das apostas do Vasco da Gama para futuro é natural de Araruama, um dos municípios que compõem a badalada Região dos Lagos. Aos 12 anos, Pedro Kallut acumula passagens por Bangu, Botafogo e Fluminense, mas foi em São Januário, onde chegou no segundo semestre de 2016, que encontrou a felicidade. O meio-campista teve papel fundamental na brilhante campanha cruzmaltina no Metropolitano sub-12.

O Gigante da Colina disputou 16 jogos no torneio, sendo que sete deles foram clássicos. O grande personagem nessas partidas foi Pedro Kallut. Nenhum outro jogador do Trem-Bala Mirim brilhou mais que o armador diante dos rivais. O jovem balançou as redes contra Botafogo e Flamengo, mas não parou por aí. Ele também distribuiu assistências nos jogos contra os três principais adversário do Almirante em solo carioca.

- Eu busco tratar todos os jogos de uma forma igual, não costumo diferenciar, não tenho nenhum tipo de preparação especial, mas dentro de campo é uma partida diferente das outras. É um jogo mais pegado, onde ninguém pode errar, todo mundo quer ganhar. Fico feliz por ter ido bem nos clássicos e ter conseguido ajudar a equipe fazendo gols. Não tem nenhum segredo, mas às vezes a estrela brilha - afirmou o garoto.

Ambidestro, Pedro Kallut começou a praticar o esporte com quatro anos de idade. No início de sua trajetória, por ser alto e possuir uma forte marcação, o jovem atuava como zagueiro. A posição mudou, o clube também, porém uma característica permaneceu intacta: o bom aproveitamento nas bolas paradas. O dom foi adquirido ainda no futsal e vem sendo aperfeiçoado todos os dias pelo atleta durante os treinamentos.

- Eu sempre bati bem na bola. Me lembro que quando era pequeno e jogava futsal em outro clube, um das jogadas que a gente tinha era a de cobrar o lateral na minha direção para que eu pudesse chutar. Fiz muitos gols assim. Graças a Deus, consegui levar essa característica para o campo e venho ajudando o time. A comissão técnica me coloca para treinar bastante cobrança de falta nos treinos. Tenho evoluído com isso - declarou o meia, exaltando em seguida a importância do Gigante da Colina para a sua vida.

- O Vasco significa tudo para mim. É uma parte do meu sonho, onde eu pude começar a minha carreira, minha segunda casa. Tomara que eu consiga um dia chegar ao profissional e dar alegrias para a torcida. Eu sei que para isso tenho que fazer por onde, sempre me dedicar. Eu gosto do Nenê e do Paulinho, mas também admiro o Evander. Ele fez um golaço contra o Santos e chuta muito bem de fora da área. É uma inspiração sim - concluiu.

Fonte: Site oficial do Vasco

Enquete

Você é favorável ao retorno de Antônio Lopes no cargo de dirigente?

Deixe seu comentario