Técnico do Corinthians está preocupado com os lances de bola parada do Vasco

28/09/2019 às 15h12 - FUTEBOL

Melhor defesa do Campeonato Brasileiro, o Corinthians está preocupado em neutralizar uma das principais jogadas ofensivas do Vasco de Vanderlei Luxemburgo no confronto deste domingo, às 11h (de Brasília), na Arena, pela 22ª rodada da competição: os lances de bola parada.

Na manhã de sexta-feira, na reapresentação do elenco corintiano após o retorno de Quito, onde o Timão foi eliminado na semifinal da Sul-Americana, o técnico Fábio Carille e sua comissão começaram a alertar os jogadores sobre a eficiência da equipe carioca em lances desta natureza.

Por 40 minutos, o elenco realizou um treino fechado para a imprensa exatamente com esse foco. Neste sábado, em nova atividade sem a presença dos jornalistas, Carille voltará a treinar o posicionamento defensivo. Fagner, Manoel, Gil e Danilo Avelar formam o setor.

– Já começamos a estudar um pouco o Vasco, sabemos que eles têm jogadores de qualidade e que a maioria dos gols deles são de bolas paradas. Temos que ficar atentos – alertou Avelar.

De fato, desde que Vanderlei Luxemburgo assumiu o Vasco em maio, são 10 gols de bola parada de um total de 16 marcados – o que significa 62,5%. Neste universo, estão três gols de pênalti, quatro originados em cobranças de escanteio e outros três que nasceram em cobranças de falta.

Assim como Carille, Luxemburgo costuma dar bastante atenção às bolas paradas durante os treinos da semana. O principal jogador do Vasco neste tipo de lance é o lateral Danilo Barcelos.

Ele é o responsável por escanteios e faltas – inclusive cobranças diretas para o gol. Na última partida, contra o Athletico-PR, assumiu o posto de cobrador oficial de pênaltis, que era de Yago Pikachu.

Os números, aliás, poderiam ser maiores, já que o Vasco perdeu três cobranças de pênalti desde que Luxa assumiu: duas contra o Flamengo (Pikachu e Bruno César) e uma contra o Cruzeiro (Pikachu).

Dos 13 gols que o Corinthians sofreu no Brasileirão, seis foram em bolas paradas: dois de pênalti (contra Vasco e Bahia), um de falta indireta (Palmeiras) e três em jogadas originadas em batidas de escanteio (Flamengo, Avaí e Ceará). O último deles, aliás, em gol olímpico de Leandro Carvalho.

Fonte: GloboEsporte.com