Título, confusões e demissões... os últimos 10 anos de Luxemburgo

08/05/2019 às 12h00 - CLUBE

A saga de Vanderlei Luxemburgo no futebol ganhou um novo capítulo. Desde sua demissão do Sport em outubro de 2017, o técnico está fora do mercado de trabalho, tocando negócios pessoais não relacionados com o futebol. Contratado pelo Vasco, nesta quarta-feira, ele retoma sua carreira com a responsabilidade de evitar mais um rebaixamento do clube, que está na última colocação do Campeonato Brasileiro depois de três rodadas.
 

Para quem já foi campeão brasileiro cinco vezes (duas com o Palmeiras, uma com Corinthians, Cruzeiro e Santos), comandou a Seleção Brasileira campeã da Copa da América em 1999, conquistou alguns estaduais e trabalhou no Real Madrid, o momento não é dos melhores. Confira abaixo como foram os últimos trabalhos de Luxemburgo como técnico desde 2010.

Atlético-MG

Depois de conquistar o título do Campeonato Mineiro de 2010, Luxemburgo se viu em uma situação complicada na disputa do Campeonato Brasileiro. Quebrou a perna esquerda e precisou ficar na cadeira de rodas. Teve dificuldade para comandar treinamentos. O time sucumbiu. Sua demissão aconteceu no dia 24 de setembro de 2010, com o time na zona de rebaixamento.
 

Flamengo

Depois de sua saída do Atlético-MG, ganhou mais uma oportunidade no Flamengo, seu clube de coração. Livrou o time do sufoco no Campeonato Brasileiro de 2010. No ano seguinte, contou com a chegada de Ronaldinho Gaúcho para ser campeão carioca, seu último título, e conduziu o time ao quarto lugar no Campeonato Brasileiro, marcado pela vitória por 5 a 4 sobre o Santos, na Vila Belmiro. Em 2012, sua passagem chegou ao fim depois de problemas de relacionamentocom Ronaldinho, mesmo classificado para a fase de grupos do Libertadores.
 

Grêmio

Pouco depois de sua demissão do Flamengo, Luxemburgo acertou com o Grêmio. Não conseguiu chegar à final do Campeonato Gaúcho em 2012 e 2013, mas fez uma excelente campanha no Brasileiro de 2012 e terminou em terceiro lugar. Caiu nas quartas de final da Sul-Americana e na semifinal da Copa do Brasil. Demitido em junho de 2013.

Fluminense

No fim de julho de 2013, Luxemburgo assumiu o Fluminense. Péssimo desempenho no comando do time. Demitido no dia 11 de novembro do mesmo ano, deixou o time na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, competição marcada pelo caso Héverton, que mandou a Portuguesa para a Série B.
 

Flamengo

Mais um chamado do clube de coração. Desta vez, com o time na zona de rebaixamento ou "zona da confusão", como Luxemburgo batizou, assumiu o time em julho de 2014. Teve sucesso para livrar o time da Série B e foi eliminado nas semifinais da Copa do Brasil pelo Atlético-MG. No ano seguinte, não conseguiu fazer uma boa campanha no Carioca e caiu depois de três rodadas no Brasileiro, tendo conquistado um ponto. Condenou a diretoria da época, dizendo que nada entendiam de futebol.

Cruzeiro

Em sua quarta passagem pelo clube, durou apenas dois meses em 2015. Entrou em junho, duas semanas depois de ser demitido pelo Flamengo, e saiu em agosto depois de uma derrota para o Santos.

Tianjin Quanjian

Depois da demissão do Cruzeiro, Luxemburgo acertou com o Tianjin Quanjian, da China, em setembro de 2015. Sua estreia aconteceu apenas em março de 2016, na Segunda Divisão do país. Teve um bom começo, mas não resistiu a uma sequência de maus resultados. O ex-zagueiro Fabio Cannavaro, campeão mundial e bola de ouro em 2006, o substituiu, recuperou o time, foi campeão e levou o Tianjin à primeira divisão. Após voltar ao Brasil, o técnico disparou críticas contra o futebol chinês e acusou, até mesmo, de armação de resultados.

Sport

Em maio de 2017, Luxemburgo assumiu o Sport. Evitou entrar na discussão sobre o título brasileiro de 1987 e trabalhou por cinco meses. Saiu do clube depois da queda na Copa Sul-Americana e na 15ª posição no Campeonato Brasileiro.

Depois da demissão do Cruzeiro, Luxemburgo acertou com o Tianjin Quanjian, da China, em setembro de 2015. Sua estreia aconteceu apenas em março de 2016, na Segunda Divisão do país. Teve um bom começo, mas não resistiu a uma sequência de maus resultados. O ex-zagueiro Fabio Cannavaro, campeão mundial e bola de ouro em 2006, o substituiu, recuperou o time, foi campeão e levou o Tianjin à primeira divisão. Após voltar ao Brasil, o técnico disparou críticas contra o futebol chinês e acusou, até mesmo, de armação de resultados.

 

Fonte: Globoesporte.com