Futebol

Trio argentino atravessa fase delicada no Vasco

0

O Vasco não vence há cinco jogos. Há quatro não anota um gol sequer. Tão badalado em 2020, o sotaque portenho de Martín Benítez, Germán Cano e Léo Gil já não encanta com a bola nos pés. O trio hermano chegou a São Januário no ano passado e, ao menos, o meia e o centroavante foram tiros certeiros que mudaram as perspectivas da equipe na temporada, graças a excelentes atuações. O volante até agradou em suas partidas iniciais, mas os erros vieram e, acompanhados da eliminação na Sul-Americana e a queda na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, as críticas deram o tom.

Apostar no mercado de jogadores sul-americanos é uma prática cada vez mais usual no futebol brasileiro. O raro é acertar em cheio. Cano e Benítez foram dois achados, já que não havia grana em caixa. Assim, o Cruz-Maltino escapou da receita antiga de investir em medalhões em declínio na carreira e teve sucesso nas escolhas. “Colo” Gil, por sua vez, chamou a atenção pela polivalência no meio de campo e pela qualidade na bola parada. Chegou, inclusive, com o status de “o homem da bola parada” e amigo de longa data de Benítez. Parecia a resposta para a frágil proteção que os volantes davam à zaga – Bruno Gomes, titular absoluto de Vanderlei Luxemburgo, não estava sendo muito aproveitado por Ramon Menezes e Ricardo Sá Pinto.

Desde a última vitória sobre o Atlético-MG, o Cruz-Maltino soma dois empates e três derrotas. A duas rodadas do fim do Brasileirão, a expectativa é que o trio hermano esteja em campo mais uma vez, agora diante do Corinthians. Com 37 pontos na 17ª colocação, uma derrota na capital paulista pode sacramentar o rebaixamento do Vasco pela quarta vez em sua história, caso o Bahia (38 pontos) derrote o Fortaleza, fora de casa.

Mas, afinal, o que a torcida poderá esperar de Cano, Benítez e Léo Gil para este duelo de vida ou morte? O Jogada10 reuniu as atuações e as notas do trio hermano nestas últimas cinco partidas em que o time não conseguiu sequer somar três pontos. Confira!

PALMEIRAS 1 x 1 VASCO

Benítez – Fez um golaço de falta no primeiro tempo e foi o homem da criação das jogadas do Vasco. Mas ainda não está nas melhores condições físicas e deixou o campo aos 25 minutos do segundo tempo. NOTA 7,0

Léo Gil – Muita raça na marcação, mas não tão bem no apoio aos atacantes. NOTA 5,5

Germán Cano – No primeiro tempo, a bola não chegou para as suas finalizações. NOTA 5,0

VASCO 0 x 0 BAHIA

Leonardo Gil – 5,0 – Mais um jogo sem brilho do argentino. NOTA: 5,0

Benítez – Não conseguiu repetiu as duas últimas boas atuações. Esteve bem marcado, mas errou acima da média em passes e lançamentos. Teve uma boa finalização na etapa final. Parece ter sentido a sequência de jogos e acabou substituído na metade da etapa final. Tomou um cartão amarelo desnecessário em uma dividida no meio de campo. NOTA: 5,0 

Germán Cano – Precisou sair da área para participar mais do jogo, já que a bola não chegava aos seus pés. Produz pouco quando está longe da área. NOTA: 5,5 

FLAMENGO 2 x 0 VASCO

Léo Gil – Muito esforço e quase nenhum resultado prático. Ajudou na marcação, não entrou nada ofensivamente. No segundo tempo saiu para a entrada de Talles Magno Nota: 3,5 NOTA 4,5

Benítez – Visivelmente segue fora de forma. Perdeu a força de arrancada no tempo em que ficou sem jogar. Com a posse de bola, não tinha opções e ficou isolado na criação, mas foi parte do problema de não conseguir dar saída de jogo ao time. Acabou substituído por Catatau no intervalo. NOTA 4,5

Germán Cano – Capitão dada a ausência de Castan, acabou pouco acionado. Tentou liderar a marcação adiantada da equipe no primeiro tempo. Perdeu grande oportunidade no segundo tempo. Desta vez, não apareceu tanto e pouco se movimentou na busca para criar espaços. NOTA 4,0

FORTALEZA 3 x 0 VASCO

Léo Gil – Suspenso, não jogou.

Benítez – Escalado para jogar mais próximo ao homem de frente, numa espécie de segundo atacante, teve grande dificuldade para ajudar na construção das jogadas. Lutou, e correu bastante, como de costume, mas por estar de costas para o gol, não conseguiu produzir e foi obrigado a recuar para que a bola chegasse aos seus pés. No segundo tempo, cresceu um pouco de produção. Foi dele a jogada que resultou no gol anulado pelo VAR. NOTA 5,0

Germán Cano – Por conta de uma indisposição estomacal que o impediu de treinar por dois dias, iniciou na reserva e entrou no intervalo. Não recebeu um passe para finalização. Na única bola que sobrou, em um rebote do goleiro, balançou a rede. O gol, porém, foi anulado pelo VAR por falta de Henrique na origem da jogada. NOTA 5,5

VASCO 0 x 1 INTERNACIONAL

Léo Gil – Envolvido nos lances dos dois gols do Internacional, deu mole ao deixar Rodrigo Dourado subir mais que ele para cabecear para a rede. No tento anotado por Thiago Galhardo, o volante simplesmente parou e ficou observando a trama ofensiva gaúcha. Falta tudo, inclusive profissionalismo ao argentino. NOTA 3

Benítez – Novamente o jogador o mais lúcido do time, mas faltou um companheiro com o qual pudesse armar as jogadas pelo meio e ajudar o time a chegar ao gol. NOTA 6

Germán Cano – Movimentou-se bastante buscando o jogo, mas a falta de criatividade dos meias impediu que recebesse bolas que pudesse arrematar para o gol. Ainda teve a chance do empate nos pês em cobrança de pênalti, mas bateu mal e perdeu. NOTA 4,5

Fonte: Olimpiada Todo Dia
  • Quarta-feira, 03/03/2021 às 21h00
    Vasco Vasco 0
    Portuguesa Portuguesa 1
    Taça Guanabara São Januário
  • Sábado, 06/03/2021 às 21h00
    Vasco Vasco
    Volta Redonda Volta Redonda
    Taça Guanabara Raulino de Oliveira
  • Sábado, 13/03/2021 às 18h00
    Vasco Vasco
    Nova Iguaçu Nova Iguaçu
    Taça Guanabara A definir
  • Quinta-feira, 18/03/2021 às 21h30
    Vasco Vasco
    Caldense Caldense
    Copa do Brasil Ronaldão
  • 20/03 (Sáb) ou 21/03 (Dom)
    Vasco Vasco
    Botafogo Botafogo
    Taça Guanabara Maracanã
  • 24/03 (Qua) ou 25/03 (Qui)
    Vasco Vasco
    Macaé Macaé
    Taça Guanabara São Januário
  • 27/03 (sáb) ou 28/03 (dom)
    Vasco Vasco
    Madureira Madureira
    Taça Guanabara São Januário