Vascaíno cria música que virou hit da Seleção na Copa do Mundo

21/06/2018 às 11h14 - FUTEBOL

São Petersburgo, noite de quarta-feira, 23h40 no horário local. Quem estava lá, sentiu: a recepção dos torcedores na chegada da Seleção ao hotel mexeu com os jogadores. Esqueça o grito que exalta o orgulho e o amor de ser brasileiro. O hit do momento enaltece os cinco títulos mundiais, seus craques e nasceu com um movimento disposto a mudar (e incendiar) a forma de torcer pelo Brasil. Nas vésperas da segunda rodada do Mundial, a música ''O único penta é o Brasilzão!'' explodiu de vez na Rússia.

- Tem um componente emocional muito forte e claro que a gente fica contente. Preciamos pegar esse carinho do torcedor e juntar com a lucidez. Unir os dois fatores, emoção e razão - disse o técnico Tite sobre a recepção no hotel.

Chegada no hotel arrepiou!!!!! 🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷

Criadora do hit ''Mil gols'', que ficou famoso em 2014, a turma do Movimento Verde Amarelo é a principal responsável por dar mais vida à torcida brasileira na Copa. O grupo foi fundado em 2008 por intermédio de univesitários (a maioria da USP) e tem até um personagem símbolo: Saulo Mendonça, o Supermano, que usa uma bandeira do Brasil como capa. A ideia era transformar radicalmente o cenário encontrado nas arquibancadas em qualquer esporter que o Brasil estivesse representado.

As duas músicas citadas foram compostas pelo paulista Luiz Carvalho. Natural de Guaratinguetá, o administrador torce pelo Vasco - a família é do Rio - e foi um dos criadores do movimento.

Único Penta é o Brasilzão!

Ééééé cinco oito foi Pelé
Em meia dois foi o Mané
Em sete zero o esquadrão
Primeiro a ser tricampeão!

Ôôôô 94 Romáriôôô
2002 Fenomenôôô
Primeiro tetracampeão
Único penta é Brasilzão!

Ôôôô Brasil olê, olê, olê! (4x)

https://www.instagram.com/p/BkQu_RZBsGf/

- Nasceu com um grupo de amigos apaixonado por futebol, arquibancada e torcida. Um dia discutimos sobre como a nossa torcida era apática e nada representava nosso povo festivo e alegre. Queriamos dar a nossa contribuição para tentar mudar esse cenário. Na época, tínhamos experiência das torcidas da universidade. Mas nosso grande problema sempre foram as músicas e por isso começamos a compor. Até existiram algumas no passado, mas a coisa se perdeu.

''Chegou ao ponto de termos praticamente só um música. Até gosto do grito de ''Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor'', acho que pode ser importante, mas chegou a um ponto que ele representava bem a falência da torcida brasileira'', analisou Luiz.

Luiz (de boné verde, agachado na frente do Canarinho) é o autor do hit que explodiu na Copa da Rússia (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Hit atual não era a aposta do movimento para a Copa

A música que faz sucesso entre os brasileiros na Rússia foi criada em 2013 e só explodiu agora. Segundo Luiz, o objetivo era ressaltar os craques e os cinco títulos mundiais da Seleção. Algo que pudesse traduzir a expressão ''Respeita a nossa história''.

- Falam muito do Brasil e não tínhamos música alguma falando que nós comandamos esse negócio chamado futebol. Fomos os primeiros tricampeões, os primeiros tetracampeões, o único penta. Queria falar dos nossos craques, dos nossos títulos...

''E dar uma inflamada com o refrão do ''Brasil olê, olê, olê'' para arrebentar mesmo, loucura, rodar camiseta, jogar a cerveja para cima (risos)'', disse o compositor, que lamentou apenas o fato de não conseguir encaixar Didi na letra.

- Tentei consertar esse erro e não consegui. Didi foi o melhor da Copa de 58, sou fã, acho ele um dos maiores do futebol e até injustiçado, mas infelizmente não consegui por causa da rima.

Curiosamente, a música que explodiu não era a aposta do movimento para 2018. Eles achavam que os dois outros hits abaixo, com letra menor e de fácil fixação, tinham mais potencial.

Vamô pra Moscou! (Aquarela do Brasil)

Ôôôô! E vamô, vamô para Moscou!
E vamô, vamô para Moscou!
E vamô, vamô para Moscou!
Brasil! Brasil! Brasil! Brasil!

O meu Brasil vai ser campeão! (Bella Ciao)

Vai ser na raça, no coração!
Vai meu Brasil, meu Brasil, meu Brasilsilsil!
Vai ser na raça, no coração!
O meu Brasil vai ser campeão!

Saulo Mendonça, o Supermano, símbolo do Movimento Verde e Amarelo, no jogo contra o Paraguai pelas eliminatórias (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Crescimento nas Olimpíadas do Rio

Desde a sua criação, o Movimento Verde Amarelo se juntou a outros grupos de apoio (Torcida Canarinho, Núcleo Brasil, Van da Copa, Torcida Brasucas, Gaúchos da Copa, e etc), passou a criar músicas e a viajar para apoiar o Brasil em diversos esportes. Estiveram nas Copas de 2010 e 2014, em mundiais de basquete, nas Olimpíadas, partidas de beach soccer, vôlei, handeball, além de vários amistosos da Seleção e jogos pelas eliminatórias.

- Conseguimos um resultado muito legal na Olimpíada do Rio. Mas os obstáculos ainda são muitos, principalmente na hora do jogo. São eventos geralmente com lugares marcados, difícil acesso aos ingressos, proibição de uso de instrumentos... Não conseguíamos juntar um grupo grande no mesmo local do estádio. Como vamos cantar assim?

''Mas na Olimpíada conseguimos explodir a torcida e ajudamos o Brasil a alcançar resultados importantes no handebol e no polo aquático principalmente. Ali ficou claro que tudo o que estavamos fazendo tinha sentido'', encerrou.

Fonte: GloboEsporte.com

Enquete

Você é favorável ao retorno de Antônio Lopes no cargo de dirigente?

Deixe seu comentario