Torcida

Vascaínos criam cerveja artesanal e homenageiam jogadores

Em Blumenau (SC) virou moda aos bons de copo produzir a própria cerveja. Os irmãos Moisés e Fernando Azevedo, torcedores do Vasco, entraram na onda. E resolveram unir as duas paixões. Assim nasceu a Templários Vascaínos Homebrewers, uma série de cervejas artesanais para consumo pessoal. Cada lote leva o nome de um jogador do clube, com uma pitada de humor.

A primeira edição foi, veja só, a “Valdiram, um abuso de cerveja”, em homenagem ao perna-de-pau esforçado que se tornou ídolo ao modo brincalhão dos cariocas. “A intenção não é que todos conheçam os jogadores que utilizaremos, mas apenas os mais vascaínos iguais a nós, que acompanham o Vasco no dia a dia”, registra Moisés, analista de negócios.

Não há uma lista de nomes previamente escolhidos. O segundo lote, por exemplo, foi batizado ao acaso. “Na fabricação, a temperatura ficou acima do esperado. Quem é o esquentadinho do Vasco? Carlos Alberto”, relembra Moisés. Pronto, surgiu a “Cazalbé, difícil de controlar”.

Cada produção é de somente 5 litros (ou 10 garrafas), para consumo entre os amigos. “Compramos um kit pequeno, porque não sabíamos se iríamos gostar”, situa Moisés. A fabricação da cerveja vascaína demora cerca de 7 horas. Depois, a fermentação num balde dura 7 dias e a maturação na garrafa mais 15 dias. “Após este período está pronta para beber”.

A diferença do sabor de uma cerveja artesanal para uma industrial é grande, pontua o catarinense. No caso deles, é uma Indian Pale Ale. “Parece outra bebida. Essa é uma cerveja pura, só com água, malte e lúpulo, diferentemente das ‘ambevianas’, que contêm outros cereais que possuem amido para a extração do açúcar, entre eles o milho”, explica.

O resultado já foi avaliado por torcedores também de Flamengo e Corinthians. Todos foram obrigados a entoar a música do rótulo de trás da garrafa. Na primeira, “ô urubu, pode esperar, o Valdiram vai te estuprar”. “Eles cantaram bem contentes”, diverte-se o vascaíno. “Na Cazalbé, além do canto, terá coreografia: mãos pra cima, ‘Ôôôô, Carlozalbertô!’”

A família de Moisés e Fernando é toda formada por vascaínos. Mesmo morando em outro estado, os irmãos são sócios do clube. E ambos já fizeram parte de uma torcida organizada local, a Templários Vascaínos. Daí veio a inspiração para o nome da cerveja.

“Quando éramos pequenos, pintamos bem no meio da rua de paralelepípedo, na frente da nossa casa, o brasão do Vasco. Pra achar a nossa casa era fácil, era só dizer que morava na frente do brasão e todos achavam”, ri Moisés. “Era engraçado de madrugada você acordar com canto de pneu sobre o brasão. Rivais tentando apagar”.

Empolgados com as cervejas, os irmãos já pensam nos próximos lotes. “Esperamos que o processo de produção nos inspire a batizá-las”, torce. Se você está curioso, os títulos podem ser “Tenório, porque beber não machuca”; “Bárbio, nessa você acerta”; e “Valdir Papel, pra beber rapidamente”. Com esses nomes, imagina as risadas depois de alguns copos.

Fonte: Blog Verminosos por Futebol
Loading...
  • Domingo, 19/09/2021 às 16h00
    Vasco Vasco 1
    Cruzeiro Cruzeiro 1
    Campeonato Brasileiro - Série B São Januário
  • Sexta-feira, 24/09/2021 às 21h30
    Vasco Vasco
    Brusque Brusque
    Campeonato Brasileiro - Série B Augusto Bauer
  • Segunda-feira, 27/09/2021 às 20h00
    Vasco Vasco
    Goiás Goiás
    Campeonato Brasileiro - Série B São Januário
  • Sexta-feira, 01/10/2021 às 21h30
    Vasco Vasco
    Confiança Confiança
    Campeonato Brasileiro - Série B Arena Batistão
  • Sábado, 09/10/2021 às 16h30
    Vasco Vasco
    Sampaio Corrêa Sampaio Corrêa
    Campeonato Brasileiro - Série B Castelão-MA
  • A definir
    Vasco Vasco
    Coritiba Coritiba
    Campeonato Brasileiro - Série B A definir
  • A definir
    Vasco Vasco
    Náutico Náutico
    Campeonato Brasileiro - Série B A definir