Vascaínos agem em Brasília e candidatura de Eurico pode naufragar de vez

13/09/2006 às 00h37 - POLÍTICA

Aos 45 minutos do segundo tempo, um grupo de opositores de Eurico Miranda em Brasília tenta arrumar um pênalti contra o presidente do Vasco e candidato a deputado federal pelo Partido Progressista (PP). Às vésperas do julgamento do recurso impetrado por Eurico contra o indeferimento do registro de sua candidatura pelo TRE do Rio de Janeiro, um grupo de vascaínos entregou ao ministro do TSE Carlos Ayres Britoo a cópia de um processo para provar que Eurico já foi condenado em segundo grau. Ayres Britto foi quem pediu vista do processo semana passada.

Eurico foi condenado pela Turma Recursal Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, em março passado, por agressão ao jornalista Carlos Monteiro (do jornal O Dia). Ele havia sido absolvido em primeira instância, mas o Ministério Público recorreu. A nova condenação ainda não transitou em julgado porque outro réu do processo entrou com embargos de declaração.

\"A defesa de Eurico diz que ele não foi condenado ainda. Mas aí está a prova. Agora ele só poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), que cuida de questões constitucionais, o que não é o caso\" - disse o assistente de acusação do Ministério Público no processo de agressão, Luiz Roberto Leven Siano.

A juíza Jaqueline Montenegro, que foi relatora no processo que indeferiu a candidatura de Eurico, confirmou ontem que a condenação não estava na folha corrida do candidato. Ele votou pelo indeferimento por acreditar que Eurico não tem \"conduta moral\".

Mesmo que consiga uma vitória no TSE, Eurico ainda poderá ter a sua candidatura impugnada até a diplomação, mas seu advogado no processo de agressão, Marcos Prado, diz que vai recorrer ao STF:

\"Considero essa questão constitucional, sim. Vou alegar que há uma contradição muito grande entre o entendimento do Jecrim (a primeira instância) e a da Turma Recursal - disse.

Mesmo no caso de uma confirmação de sentença, o crime de Eurico (agressão) não consta da lista dos que provocam inelegibilidade. Para o advogado do candidato, Luiz Paulo Ferreira, o que existe é um segmento tentando não julgar o direito, mas a pessoas:

\"O que está em julgamento é se Eurico é inelegível. As pessoas de maior expressão estão sujeitas a ataques, ainda mais no caso de um dirigente esportivo, que lida com paixões. Mas não se pode melhorar ou piorar a situação de uma pessoa por antipatia.

Fonte: O Globo / SUPERVASCO.COM