Para acertar com Winck, Vasco transferiu dívida salarial para 2021

04/03/2020 às 15h09 - FUTEBOL

A diretoria Cruz-Maltina optou por uma maneira simples de suprir as carências do elenco. Enfrentando grave crise financeira e sem recursos para grandes contratações, o Vasco busca reforços entre seus afastados.

Em janeiro deste ano, a diretoria afastou os laterais Claudio Winck e Rafael Galhardo e o meia Bruno César. O trio tem treinado em separado do grupo desde então. Winck será reintegrado ao elenco vascaíno.

O clube deve os salários de dezembro, janeiro, parte do 13º, férias e seis meses de direitos de imagem. Para serem reintegrados, os atletas têm que concordar em receber as dívidas do contrato de imagem e o restante de imagem de 2020 somente em 2021.

Winck e Bruno César foram procurados, e, por enquanto, só o lateral aceitou a proposta. Ele será reintegrado ao elenco e ficará como primeira opção na reserva de Yago Pikachu.

Início promissor e queda de rendimento

Gaúcho, Claudio Winck tem 25 anos e foi formado nas divisões de base do Grêmio e do Inter. Tem passagens pelas Seleções Brasileiras sub-17, sub21 e sub23. Como profissional, iniciou a carreira no Inter e já esteve em vários clubes, como o Verona, da Itália, Chapecoense e Sport. Chegou ao Vasco em dezembro de 2018.

Sobrinho de Luís Carlos Winck, campeão brasileiro com o Vasco em 1989, Claudio teve seu melhor momento na carreira no Inter em 2014, sob o comando de Abel Braga. No Cruz-Maltino, perdeu espaço após a chegada de Pikachu.

Fonte: Terra