Clube

Vasco erra contas e escancara crise no futebol feminino

Em julho de 2021, o Vasco publicou em seu site oficial a ampliação da parceria com a cervejaria Ambev, que previa tornar o futebol feminino do clube autossustentável. Seis meses depois, a categoria está longe de ser independente. Pelo contrário, convive com salários atrasados e corte de despesas.

Com sérios problemas financeiros, que afetam também o time profissional masculino, que completa nesta sexta dois meses sem receber os vencimentos mensais, além de 13º e férias, o Vasco só mantém o futebol feminino hoje por conta da obrigatoriedade. O clube diz entender a importância da categoria, mas as atuais condições não permitem o investimento. A realidade é parecida com outras equipes brasileiras.

Sem condições de investir na categoria, o clube foi atrás de um parceiro que bancasse a sobrevivência das meninas. A missão é fazer do futebol feminino um "não problema" para o Vasco. Mas o que aconteceu com o dinheiro repassado pela Ambev?

De fato, o contrato previa destinar parte do recurso para o futebol feminino, e assim aconteceu, como explicou o vice-presidente de marketing do Vasco, Vitor Roma, ao ge. O problema é que houve um "erro de cálculo" do clube para sustentar o time no último semestre de 2021. Uma parcela do dinheiro que entrou precisou ser gasta com dívidas da categoria, e o cobertor ficou curto, voltando a acumular despesas ao fim da temporada.

O Vasco, portanto, anunciou a autossuficiência do futebol feminino sem levar em consideração essas contas.

As denúncias que surgiram no início de semana são de problemas que vão desde a falta de alimentação e uniformes até alojamento precário para as jogadoras na Barreira, comunidade vizinha do Estádio de São Januário. A situação pesou para a saída de jogadoras como Bebel, Anny e Dani Barão, que se destacaram com a camisa vascaína.
 

O que fazer?

O orçamento de 2022 prevê gastar pouco mais de R$ 40 mil por mês com a folha do futebol feminino. A reportagem apurou que, em 2020, a folha salarial do elenco e comissão técnica custava mais de R$ 70 mil mensais. A folha do masculino no ano passado estava próxima de R$ 2,5 milhões, com mais R$ 1 milhão destinado ao pagamento de dívidas com atletas que saíram.

A saída da administração é seguir o mesmo acordo feito com a Ambev. O clube atualmente negocia com um novo patrocinador para sustentar as despesas do futebol feminino. O Vasco aposta no crescimento da categoria no país para atrair parceiros interessados na causa. Outra possibilidade é um novo pacto com a cervejaria nas negociações pela renovação em março.

- Não houve desvio do dinheiro. O dinheiro foi pra lá. O que aconteceu com o contrato da Ambev foi que o dinheiro acabou. É uma situação triste, mas simples. A pasta do futebol feminino não está abaixo do marketing, mas existe uma crença minha de resolver esses problemas para aliviar a administração. Estou negociando com um novo patrocinador para sustentar o futebol feminino. É sempre um desafio, mas temos números melhores de retorno da categoria. Existe a boa vontade de resolver, mas o clube hoje não consegue bancar - declarou Vitor Roma.

A valorização da categoria era uma das promessas de campanha do presidente Jorge Salgado, que não conseguiu colocar em prática as ações pretendidas. Além de fazer o futebol feminino autossuficiente, a diretoria disse que Pretinha, uma das maiores jogadoras do Brasil e a principal artilheira da história do Vasco, seria a líder do departamento. A atleta, porém, não chegou a ser procurada pelo clube, que ainda sonha com a parceria, mas alega falta de recursos.

A reapresentação do elenco feminino está prevista para o dia 17 de janeiro. Os treinos das meninas acontecem na Vila Olímpica de Caxias, no Artsul e em São Januário. Em 2022, o Vasco vai disputar novamente a Série A2 do Brasileirão, com início marcado para 21 de maio, além do Campeonato Carioca no segundo semestre.

O ge enviou as perguntas abaixo à Ambev:

- Até que ponto a Ambev se envolve no investimento no futebol feminino do Vasco? A aplicação do dinheiro no futebol feminino está prevista no contrato com o clube?

- Já que a Ambev foi anunciada pelo próprio Vasco como principal parceira no investimento no futebol feminino, a empresa pretende tomar alguma providência diante do quadro de descaso com a modalidade? Existe algo que se possa fazer?

A resposta da empresa foi a seguinte:

“Por questões contratuais, seguimos a confidencialidade dos nossos contratos. Estamos acompanhando e esperamos que a situação seja regularizada o mais rápido possível”.

Fonte: ge
  • Quarta-feira, 26/01/2022 às 19h00
    Vasco Vasco 4
    Volta Redonda Volta Redonda 2
    Taça Guanabara Raulino de Oliveira
  • Sábado, 29/01/2022 às 21h00
    Vasco Vasco
    Boavista Boavista
    Taça Guanabara São Januário
  • Quarta-feira, 02/02/2022 às 21h35
    Vasco Vasco
    Nova Iguaçu Nova Iguaçu
    Taça Guanabara São Januário
  • Domingo, 06/02/2022 às 15h30
    Vasco Vasco
    Madureira Madureira
    Taça Guanabara Conselheiro Galvão
  • (09/02 - Qua) ou (10/02 - Qui)
    Vasco Vasco
    Portuguesa Portuguesa
    Taça Guanabara São Januário
  • (12/02 - Sáb) ou (13/02 - Dom)
    Vasco Vasco
    Botafogo Botafogo
    Taça Guanabara Maracanã