Vasco quer tornar Almirantinho personagem físico

07/06/2019 às 08h09 - FUTEBOL

Um histórico de resistência e de ligação com as camadas populares. O encontro entre Vasco e Internacional hoje (7), às 20h30, em São Januário, pela 8ª rodada do Campeonato Brasileiro, representa bem mais que um duelo entre dois gigantes do país, pois faz lembrar também a bandeira da igualdade racial que os clubes carregam não só em seus capítulos como nos mascotes negros.

O Colorado foi pioneiro na escolha de seu personagem que, na cor de sua pele, transmitia a mensagem de "clube do povo" que desejava passar. Nos anos 50, adotou o "Escurinho", figura presente em jornais esportivos gaúchos da época. Em seguida, absorveu o tradicional Saci-Pererê, do folclore brasileiro e eternizado por Monteiro Lobato. Desde então, é o menino de uma perna só e gorro vermelho que identifica a equipe do Beira-Rio.

Já o Cruzmaltino se auto intitula como "a história mais bonita do futebol", em função de ter lutado para que negros e operários fossem aceitos no futebol na década de 20. Os mascotes do clube, porém, não eram negros até então. Além do Almirante - em alusão ao navegador que deu origem ao nome do clube - o Vasco possui o português de bigode, uma figura que caracteriza os comerciantes lusitanos que chegaram ao Brasil.

Este ano, todavia, em parceria com o projeto de animação digital "Liga dos Mascotes", o departamento de marketing se destacou ao lançar o "Almirantinho", versão infantil do tradicional personagem, que tem como característica a cor negra.

"Nós temos toda uma história de combate ao racismo que faz parte do DNA do Vasco", destaca ao UOL Esporte o diretor de marketing do clube, Carlos Costa.

Vasco quer tornar Almirantinho personagem físico

O sucesso de Almirantinho em seus episódios no Youtube fez o Vasco projetar um leque de produtos maior para seu novo "mascotinho". A ideia é torná-lo físico para o Dia das Crianças, que acontece em 12 de outubro.

"Ele ainda está youtuber, virtual, mas estamos pensando e buscando para que até o Dia das Crianças ele se torne físico, seja um produto licenciado e vendido nas lojas licenciadas para o nosso torcedor", revelou Carlos Costa.

O dirigente de marketing também fez questão de ressaltar outras ações recentes que remetem ao passado de resistência do clube, como a terceira camisa lançada em 2018 inspirada no time de 1923, e a homenagem ao ex-jogador Alcir Portella e ao ex-massagista Pai Santana, negros que fizeram história no Vasco e que batizaram os novos bancos de reservas de São Januário.

Saci já "apanhou" e foi até expulso de campo

O Saci-Pererê já é um sucesso consolidado no Internacional. O mascote é figura carimbada em eventos realizados para sócios na capital e em cidades do interior do Rio Grande do Sul. Ele também se faz presente no gramado do estádio Beira-Rio em dias de jogos, posa para fotos com torcedores e interage até mesmo com o elenco.

Numa dessas, ano passado, levou a pior ao comemorar um gol junto com os jogadores e levar uns tapas em tom de brincadeira do atacante Brenner. No jogo seguinte, para ironizar, Saci apareceu em campo calçando luvas de boxe.

Já numa partida do futebol feminino do Colorado em 2018, ele foi expulso pela arbitragem por estar muito próximo ao gol do adversário.

Fonte: UOL Esporte