Especulações e Saídas clique aqui

Vasco sofre para obter empréstimo; Campello comenta

07/08/2019 às 13h43 - CLUBE

Professores em greve, funcionários com três meses de salários atrasados, jogadores há quatro meses sem direitos de imagem. A situação financeira do Vasco, que há tempos não é das melhores, está completamente estagnada. Asfixiado por penhoras nos últimos três meses, o clube ainda não conseguiu obter os R$ 20 milhões do empréstimo aprovado pelo Conselho Deliberativo no dia 28 de junho.

 

20 milhões que o clube tenta captar. São dívidas com empresas, fornecedores e ex-atletas, por exemplo. A principal é com um escritório de advocacia, contratado ainda na gestão de Eurico Miranda para justamente para tentar levantar penhoras anteriores e tratar com o Profut - o escritório cobra um percentual dos valores caso consiga sucesso.

Desta forma, a diretoria não consegue obter garantias para captar o valor. A solução, ainda sem prazo para acontecer, é tentar negociar acordos com os credores, para desbloquear o crédito.

Este trabalho vem sendo feito nas últimas semanas, mas é considerado difícil. Uma pessoa da diretoria envolvida nas negociações fez comparação curiosa:

 

- É uma maratona misturada com corrida de velocidade. Tem que correr muito durante muito tempo.


Professores em greve

Desde maio, a diretoria pediu a aprovação de R$ 30 milhões em empréstimo. O valor foi aceito pelo Conselho Deliberativo, mas apenas R$ 10 milhões foram captados. Depois disso, as penhoras surgiram, e tudo ficou parado.

O reflexo é direto no clube. Professores do colégio Vasco da Gama entraram em greve na segunda-feira. Eles, assim como boa parte dos funcionários, estão com três meses de salários atrasados - há relatos de que alguns sequer têm dinheiro para ir trabalhar.

Ainda na segunda, a diretoria conseguiu pagar o mês de maio a 227 funcionários, que recebem até R$ 1,5 mil. Em nota oficial, o clube reconheceu as dificuldades e afirmou que está trabalhando para normalizar a situação.

- A Diretoria Administrativa do Vasco está empenhada em normalizar o pagamento dos salários dos funcionários do Colégio Vasco da Gama, assim como de todos os colaboradores do Clube. A direção do Vasco se sensibiliza e compreende a manifestação dos professores e demais funcionários do Colégio. Estamos trabalhando também para evitar maior impacto sobre os próprios alunos, jovens atletas do Clube.

No futebol, as dívidas também assombram. Os jogadores estão com quatro meses de direitos de imagem atrasados e dois meses de atraso na carteira de trabalho.

Fonte: Globoesporte.com