Vasco vive guerra de liminares e um futuro ainda incerto administrativamente

07/09/2020 às 08h15 - POLÍTICA

G-4 do Campeonato Brasileiro, apenas uma derrota e com um jogo a menos do que o líder Internacional. O início de competição do Vasco tem tudo para deixar o clube em paz, mas este não é bem o cenário em São Januário. Com a política cruz-maltina em ebulição, a equipe do técnico Ramon Menezes tem sido uma "bolha" que até o momento não se deixou perfurar com os problemas.

A dois meses da eleição presidencial, o Vasco vive uma guerra de liminares e um futuro ainda incerto administrativamente. Em tese, o pleito acontecerá de forma direta no dia 7 de novembro, mas a decisão que permitiu isso está sub judice e pode mudar a qualquer momento.

Os jogadores e o técnico Ramon Menezes, porém, parecem estar alheios a estes problemas. Com a situação dos salários atrasados parcialmente resolvida, o grupo comprou a ideia de trabalho do comandante e tem correspondido. Para o treinador - que foi ídolo do clube como jogador - o time tem atuado como Vasco da Gama.

"Hoje (contra o Athletico Paranaense) ganhou o jogo como Vasco da Gama. Isso às vezes vai acontecer. Fiquei muito satisfeito com entrega e dedicação. Vitória importantíssima. Agora é continuar na parte de cima da tabela. A gente representa um clube gigante e uma torcida fantástica. Os jogadores sabem dessa responsabilidade, e eles estão trabalhando muito para que isso aconteça", destacou, em entrevista à "Vasco TV".

Nesta semana, além do duelo de quinta-feira contra o Atlético-GO, novamente em São Januário, o Vasco deve ter um posicionamento do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro sobre a Assembleia Geral Extraordinária que validou as eleições diretas.

Paralelamente, a Junta Deliberativa irá averiguar as impugnações dos sócios que não tiveram seus nomes inseridos na lista de associados aptos a participarem do pleito presidencial. Muitos, inclusive, cogitam acionar a Justiça para tal.

Fonte: UOL Esporte