Clube

Alexandre Pássaro: "O que aconteceu foi um absurdo"

2

"Cansado sobre esse ponto da arbitragem", Pássaro, primeiro, elogiou o presidente da CBF, Rogério Caboclo, o secretário da CBF, Walter Feldman e o diretor de competições, Manoel Flores. Segundo o dirigente vascaíno, eles fizeram trabalho louvável em colocar o VAR em todos jogos da Série A. Mas depois começou a criticar duramente a arbitragem.

- Temos um problema nesse campeonato que é o VAR. O que aconteceu hoje é inadmissível. A gente estava no vestiário, e quando saímos pro jogo o pessoal da Vasco TV me avisou que pediram que pediram para eles tirarem a câmera que fica à beira do gramado, porque ela poderia captar uma imagem que pudesse depois desmentir o VAR. Foi inédito, a gente resistiu e não foi atendido. Não sabíamos o motivo disso, mas muito provavelmente é porque a CBF sabia que a linha de impedimento estava descalibrada - revelou o dirigente vascaíno.

Pássaro seguiu falando do gol de Rodrigo Dourado, que não teve o uso da tecnologia para revisão.

- No primeiro tempo acontece o lance do Dourado, que, nas imagens que a gente teve agora, não conseguimos ter certeza se teve impedimento ou não. O Gaciba disse em entrevista que a linha veio para acabar com a injustiça no futebol. No jogo entre Atlético-MG e São Paulo no primeiro turno, a linha errou em anular um gol do São Paulo. A comissão de arbitragem divulgou isso tempo depois mostrando que a linha era passível de falha. E hoje o que foi nos passado é que a linha estava descalibrada e prevaleceu a decisão do campo. Ou se tem o VAR para todo mundo em todos os lances ou não se tem o VAR. O que aconteceu foi um absurdo. Se a linha não estava calibrada, paralisasse a partida até isso ser checado. Como a gente volta no tempo para definir o que aconteceu naquele lance? Poderia ter sido o Inter o prejudicado, mas quem sai prejudicado é o futebol brasileiro, quem faz de tudo pra entregar um campeonato enquanto as decisões e o jeito que se conduz a arbitragem brasileiro faz de tudo para destruí-lo. A única justificativa da CBF é que o Gaciba vai se pronunciar. Um pronunciamento que em nada contribui. A sala do VAR é ao lado da nossa, antes de vir pra cá a porta se abriu e eu vi que eles estavam no lance traçando a linha no computador. Vamos ver as imagens e ouvir as gravações na CBF e, dentro de 48 horas, vamos entrar com o pedido de anulação da partida no STJD para apurar o que aconteceu. Independentemente de estar impedido ou não, o que não pode é alterar as regras. O árbitro do jogo falou para o Luxemburgo que vai ver em casa se ele acertou ou errou - completou Pássaro, em pronunciamento.

Fonte: ge