Análise: Vasco faz jogo duro, mas é pouco efetivo

07/11/2019 às 08h11 - FUTEBOL
Foto: André DurãoVASxPAL
VASxPAL

"Hoje gostei da equipe, da maneira como jogou. Forte, dura, contra um adversário difícil". A frase de Luxemburgo após a derrota por 2 a 1 para o Palmeiras retrata bem o que foi o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário. Aguerrido, jogou mais na base da vontade, principalmente no segundo tempo, do que na técnica. Mas teve erros que custaram caro, como a marcação no primeiro gol dos paulistas e a polêmica arbitragem que alterou os ânimos no final.

Sem Richard e Bruno Gomes, Luxemburgo optou por um meio de campo mais técnico com a entrada de Fellipe Bastos e Bruno César, que atuou mais na frente. O Vasco começou bem, equilibrando o jogo, mas sofreu um gol logo aos 11 e teve que correr atrás do placar. Matheus Fernandes achou Lucas Lima sozinho entre os zagueiros e, sem marcação, ele invadiu a área e abriu o placar.

Na carência de um homem de área, o time apostava nas jogadas pela ponta e foi na direita que surgiu o empate. Rossi recebeu belo lançamento, entrou na área e cruzou rasteiro para o gol contra de Mayke.

O Vasco encontrava dificuldades na marcação pelo meio. Mais leve, o time do Palmeiras trocava passes com facilidade e sobrava para a defesa se virar lá atrás. Guarín não repetiu as mesmas atuações de antes e chegou a perder um gol na cara de Fernando Prass que poderia ter mudado a história do jogo.

No fim do primeiro tempo, o Vasco já tinha o rendimento inferior ao adversário e não assustava. Mal, Marrony errava lances fáceis e aumentava o problema no ataque, que pouco criava.

Castán é expulso por reclamação

 

Luxemburgo manteve o time para o segundo tempo, mas com uma mudança de posicionamento no ataque. Bruno César voltou pela esquerda com Marrony mais centralizado. Não funcionou. O técnico decidiu então tirar Bruno César e colocar Tiago Reis. Já Mano Menezes colocou Dudu em campo.

O Palmeiras cresceu, principalmente com os avanços do atacante pela esqueda. Veloz, não teve muitas dificuldades na marcação de Danilo Barcelos. O gol de desempate abalou os jogadores, que reclamaram muito de falta no próprio Barcelos no lance e foi ignorado pelo VAR.
 

Luxemburgo ainda colocou Felipe Ferreira e Clayton para tentar dar novo ânimo ao ataque, mas não adiantou. Na verdade, piorou após a expulsão de Leandro Castán. O zagueiro, que já tinha amarelo, reclamou de um pênalti em Oswaldo Henríquez.

Com menos um em campo, o time buscou o empate na base da vontade, mas não teve forças para assustar o time do Palmeiras e voltou a perder em São Januário.

Com 39 pontos, o Vasco ainda não escapou do rebaixamento e, na próxima rodada, visita o CSA, em Alagoas, precisando pontuar. Com a derrota, o sonho da Libertadores ficou ainda mais distante.

Fonte: Globoesporte.com