Andrey e Vinícius pedem passagem a Abel Braga

03/02/2020 às 07h59 - FUTEBOL

O time reserva do Vasco perdeu para o Botafogo, resultado que determinou a eliminação na Taça Guanabara, mas apresentou alternativas em um começo de ano tumultuado em São Januário. Andrey e Vinícius, especialmente, mostraram que rendem mais do que outros jogadores testados no meio e no ataque e podem dar ao time de Abel Braga algo que anda em falta em 2020: qualidade, criatividade e gols.

É claro que não é algo automático, do tipo escalou, resolveu. Porém, na ideia de jogo do técnico, a de um time que valorize a posse de bola e atue com três atacantes, a dupla se encaixa melhor. Andrey tem o chute de fora da área e os passes verticais como qualidade. Vinícius é o atacante da jogada individual em velocidade e do drible. Características fundamentais para superar a marcação e o posicionamento extremamente defensivo dos adversários.

Nos cinco jogos (uma vitória, um empate e três derrotas, duas com time alternativo), o Cruz-Maltino teve muita dificuldade de criar ações ofensivas. Não à toa marcou apenas um gol. É provável que a tônica se repita na quarta-feira, quando há o confronto com o Oriente Petrolero pela Sul-Americana, a prioridade da temporada. Abel deveria cogitar alterações de peças. Gabriel Pec e Marrony, por exemplo, deixam a desejar.

- Vamos ver de que maneira colocar a equipe para que possa nos dar esse gol que está faltando. Levo para casa hoje o sentimento de frustração, mas continuo com esperança que vou fazer essa equipe jogar e ganhar. O Oriente Petrolero joga em uma linha de cinco fora de casa, então, temos que ultrapassar aquela barreira e vamos trabalhar para isso - comentou Abel.

No Nilton Santos, o Vasco se mostrou organizado no 4-1-4-1. Teve a melhor atuação do ano - importante contextualizar que o Botafogo não marcou tão atrás da linha da bola como outros rivais recentes. Andrey fez a ligação entre a defesa e o ataque com boa saída de bola e melhor ainda distribuição dela. Organizou, por muitos momentos, um time sem meias (Marcos Jr. e Caio Lopes estiveram apagados). E, mesmo deixando alguns espaços na recomposição defensiva, apresentou bons números:

  • Maior número de assistência para finalização no jogo: 5.
  • Maior número de desarmes no jogo: 5.
  • Jogador do Vasco que mais teve a posse de bola no jogo: 5,83%.
  • Jogador do Vasco que mais acertou passes no jogo: 47.

Andrey ainda, contando-se os dois jogos que tem no ano, tem a maior média de desarmes (6 por partida) e a média de assistência para finalização (5 passes por partida) do Vasco.

Vinícius deveria ter tido melhor sorte nas duas lindas finalizações (uma de letra) que pararam na trave. Manteve a postura de encarar a marcação, algo fundamental para superar a defesa. Saiu apenas cansado, mas deu lugar a Talles que deu sinais de começar a recuperar a forma do ano passado após a lesão.

Abel cometeu o erro de insistir em Tiago Reis e Ribamar juntos, dois centroavantes. Escalar Tiago pelo lado não dá resultado e acaba por sacrificar o atacante.

Fonte: GloboEsporte.com