Campello vê "incentivos políticos" em críticas da torcida do Vasco

02/02/2020 às 18h54 - CLUBE

Após a derrota do Vasco para o Botafogo por 1 a 0, neste domingo, no Nilton Santos, o presidente Alexandre Campello se manifestou sobre as críticas da torcida. O resultado eliminou os vascaínos da Taça Guanabara, e nas arquibancadas foram ouvidos xingamentos a Campello e ao técnico Abel Braga.
 

Campello afirmou que sabe de onde partem os gritos na arquibancada. O presidente já havia sido xingado nos outros tropeços do Vasco no Carioca, diante de Bangu, Flamengo e Cabofriense.

- A gente sabe de onde vêm esses gritos, essa provocação, aí você sabe como é torcedor. Não está ganhando, tem alguém estimulando, muitas vezes com incentivos políticos, isso acaba trazendo uma pressão que não deveria existir. Não cabe ficar falando nomes, mas quem está na política sabe quem está por trás disso.
 

O presidente aproveitou para pedir paciência ao torcedor vascaíno. Assim como já ocorrera na derrota para o Flamengo por 1 a 0, o time entrou em campo cheio de garotos formados na base do clube. As únicas exceções neste domingo eram Marcos Júnior e Ribamar.

- O torcedor precisa ter um pouco de paciência e não deve deixar se levar por algumas iniciativas que a gente vê dentro da torcida. Temos uma equipe em formação. Todo vascaíno acha que a gente tem que privilegiar a nossa base, que é uma base forte, e, no momento em que a gente faz isso, a gente vê a torcida não ter essa paciência.

Questionado sobre possíveis contratações para o time, Campello assegurou que o Vasco ainda está no mercado, mas as dificuldades financeiras do clube complicam as negociações. Até agora, só chegou o argentino Germán Cano.

- A gente está em busca desses reforços. Estamos conversando com alguns que interessam ao clube, uns tiveram uma boa evolução, com outros a conversa está caminhando, e a gente espera em breve trazer esses reforços.
 

O colombiano Guarín, que defendeu o Vasco no segundo semestre de 2019, é um dos nomes na mira da diretoria. Após o clube aceitar oferecer dois anos de contrato, as partes devem entrar em acordo nos próximos dias.

- É inegável que a gente permanece conversando com o jogador, estamos mais próximos, eu poderia dizer, mas de qualquer forma isso está servindo também para que a gente possa observar a base. Está dentro de um planejamento do clube em relação à austeridade financeira.

Fonte: Globoesporte.com