Carlos Leite e 'Sempre Vasco' se reuniram para colocar fim de clima tenso

03/05/2020 às 08h12 - POLÍTICA

Por quatro meses, as partes ficaram em silêncio a respeito do encontro que ocorreu na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Realizada no fim de janeiro, a reunião, organizada por um amigo em comum, colocou frente a frente duas figuras importantes da história recente do Vasco. De um lado, a "Sempre Vasco", grupo político encabeçado por Julio Brant, provável candidato à presidência do clube. Do outro, o agente de jogadores Carlos Leite, principal parceiro do Cruz-maltino, desde 2009.

Leite dividiu a mesa com o ex-jogador Pedrinho, atualmente comentarista da TV Globo, e Christiano Campos, principal articulador político do grupo que tenta desde 2014 chegar ao poder em São Januário. Em pauta, a guerra fria travada durante 2017 e que acabou tendo sua parcela de interferência nos rumos da última eleição presidencial do Cruz-maltino.

As partes tentaram colocar um ponto final no clima de inimizade. Carlos Leite ouviu da "Sempre Vasco" que o grupo nunca teve problemas com o representante de jogadores. O agente explicou que não gostou da atitude de Júlio Brant, único candidato à presidência na eleição passada que não o procurou para conversar sobre o clube durante a campanha, o que dava força aos boatos que ouvia, de que o ex-jogador e atual comentarista Edmundo, membro da "Sempre Vasco", costumava dizer a amigos que o empresário seria afastado da Colina caso seu grupo assumisse o Cruz-maltino.

Carlos Leite ouviu como resposta que as partes conversariam depois que Brant assumisse o Vasco, caso vencesse a eleição.

Foi o que aconteceu na votação entre os sócios. Porém, entre a eleição da chapa e a confirmação da vitória no Conselho Deliberativo, em vez de Brant, quem procurou Carlos Leite para conversar foi Alexandre Campello, então escolhido para ser o vice-presidente de futebol do Vasco depois que ele e Brant firmaram aliança para vencer Eurico Miranda. Posteriormente, a promessa, por parte de Carlos Leite, da manutenção de parceria com o clube, respaldou Campello na decisão de romper com Brant e se lançar candidato à presidência entre os conselheiros.

Tanto a "Sempre Vasco" quanto Carlos Leite afirmaram que não houve conversas a respeito do processo eleitoral de 2020, nem sobre possíveis contratações que o grupo pode buscar caso vença o pleito deste ano. Vice em 2014 e 2017, a SV deve lançar novamente Julio Brant como presidente, o que deve acontecer somente em agosto.

Carlos Leite, por sua vez, segue como o principal parceiro financeiro do Vasco. De acordo com o balanço de 2019, o representante de jogadores é fiador de um empréstimo de cerca de R$ 12 milhões obtidos junto ao Banco Safra em 2017, cuja dívida restante, de R$ 3,3 milhões, foi repactuada para ser paga em janeiro deste ano. Além disso, ele foi fiador e deu garantias para uma série de empréstimos, obtidos ano passado, que pagaram as folhas salariais de fevereiro a julho. O dinheiro também veio do Banco Safra, no valor total de R$ 39 milhões, aproximadamente.

Fonte: Extra Online