Clubes podem perder pontos por cantos homofóbicos em estádios

25/08/2019 às 22h49 - CLUBE

O Vasco conseguiu uma importante vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo, hoje (25), em São Januário, pelo Campeonato Brasileiro, mas pode ter problemas no tribunal em função da nova regra da CBF de combate à homofobia. 

O árbitro Anderson Daronco relatou em sua súmula que ouviu o grito "time de veado" da torcida vascaína no segundo tempo. Durante o jogo, tão logo percebeu, ele paralisou a partida e comunicou o fato ao quarto árbitro, aos treinadores e aos capitães da equipe. 

A partir desta rodada, os clubes podem perder até três pontos por atitudes homofóbicas da torcida nos estádios. O STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) informou que este comportamento pode levar a equipe a ser enquadrada no artigo 243-G do Código Disciplinar. 

"Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência". 

Ciente da possibilidade, o técnico Vanderlei Luxemburgo pediu para que o canto parasse e o locutor de São Januário solicitou, no alto falante, que não cantassem gritos homofóbicos "para não prejudicar o Vasco". 

No primeiro tempo um grupo de torcedores já havia ensaiado a mesma canção, mas foi abafado pela principal organizada. Daronco também relatou no súmula que um copo foi atirado no gramado após o gol do Vasco e que uma confusão ocorreu depois do jogo (entre o treinador Cuca e o zagueiro Leandro Castan). 

A fiscalização em relação à homofobia atende a uma circular da Fifa que pressiona por uma ação por parte das entidades. Outro motivo é a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que determinou a aplicação da legislação de combate ao racismo para casos de homofobia e transforbia. 

Confira abaixo o relato do árbitro Anderson Daronco na súmula: 

Relato que aos 17 minutos do segundo tempo houve um canto vindo da arquibancada da torcida do Vasco em que dizia: "time de viado". Aos 19 minutos do segundo tempo, a partida foi paralisada para informar ao delegado do jogo e aos capitães de ambas as equipes a necessidade de não acontecer novamente e para informar no sistema de som do estádio o pedido para que os torcedores não gritassem mais palavras homofóbicas. Foi arremessado no gramado fora do campo de jogo um copo plástico contendo liquido dentro na direção do banco de reservas da equipe do São Paulo após a marcação do primeiro gol da equipe do Vasco da Gama. Relato que o copo foi atirado da arquibancada com torcedores do Vasco da Gama localizada atrás do banco de reservas da equipe visitante. Informo também que após o término da partida, quando as duas equipes se dirigiam para os vestiários, houve um tumulto embaixo do túnel inflável, que não foi possível identificar os envolvidos devido a distância da arbitragem até o túnel, e pela grande presença de jogadores titulares e suplentes, membros de comissão técnica, diretores das equipes, seguranças e membros de imprensa trabalhando na partida. 

Fonte: UOL