Coletiva de Abel Braga teve revelação, riso, elogio e cobrança

06/03/2020 às 08h14 - FUTEBOL

Abel Braga falou sério, riu, elogiou e cobrou. Foi assim a coletiva do técnico após o 1 a 0 sobre o ABC, na noite desta quinta-feira, no Maracanã, resultado que levou o Vasco à terceira fase da Copa do Brasil. Além da análise da produção do time, o técnico revelou ter jogado um pó branco no banco de reservas, uma ajuda para alcançar o resultado positivo.

- Eu não sei o que é esse pó branco. Alguém me pediu para jogar no túnel, mas eu esqueci. Daqui a pouco vi que estava com aquilo na mão e joguei no campo mesmo. Ia fazer o que? Se desço, alguém ia falar que o Abel iria fazer xixi. Joguei. Não fez mal mim, a você e a ninguém. Então, não custou nada - disse o treinador, que sempre anda com um terço ou nas mãos ou no bolso:

- O terço está comigo. Normalmente, o católico deveria jogar uma hóstia ali para as coisas continuem correndo bem. Não está como queremos, como o torcedor quer, mas está melhor. Se vocês ajudarem também... São seis jogos sem perder, passamos de mais uma fase classificatória.

A imagem de Abel jogando o pó foi flagrada pela TV Globo e, por isso, virou assunto na coletiva. Na conversa com os jornalistas, o treinador repetiu por duas vezes que o Vasco alcançou seis jogos sem perder - contando ainda Carioca e Sul-Americana. Lamentou o excesso de chances perdidas (foram 18 finalizações).

- Nós não definimos. Se tivéssemos feito as oportunidades que tivemos, teríamos jogado o resto da partida com mais tranquilidade. O ABC não tinha mais responsabilidade. Atacavam com cinco. Então, a gente perdia a bola e esses cinco estavam lá esperando. Na minha visão, faltou isso: converter as chances de gol. Merecíamos um resultado melhor, jogamos mais do que contra o Resende - analisou Abel.

Na próxima fase, o Vasco enfrentará o Goiás. O primeiro jogo será no Rio em data ainda indefinida. No domingo, o rival será o Volta Redonda pela Taça Rio.

- Saiu por cansaço. Mais maduro, mais consciente, mais coletivo. E sem perder a característica dele, que é o 1 para 1. Tem de ser assim. Fiquei contente, é mais uma aposta.

- O momento de dificuldade financeira não afeta. Inclusive, ontem, até porque os jogadores não falam, eu dei entrevista. Achei que deveria. Se fosse, a bola pegava fogo nos pés dos jogadores. Precisamos é melhorar a finalização. O Leomir e o Ramon treinam isso diariamente.

- Torcedor é soberano. Eu estou feliz pois tento dar o meu máximo ao clube. Hoje tivemos duas homenagens legais, uma ao Castan pelos 400 jogos e demos uma camisa de 150 jogos ao Henrique. Ele voltou a ter uma grande atuação. Ele está mais maduro, soube conviver com o protesto. Hoje foi aplaudido. Torcedor só vaiou após o jogo. Então, é isso.

- Pelo dedo, não. O adutor ele sentiu pesado. Se estiver chovendo, vai ser difícil. Mas ele vai ter de dizer. Escalamos ele um pouco mais para frente, para não ter mais desgaste. Ele criou mais chances, até ele teve chances. Ele tem um negócio muito diferente. Na maneira que ele recebe a bola, já sabe o que vai fazer. Encontra qualquer companheiro no campo. É diferenciado. Vamos procurar aproximá-lo mais ainda dos atacantes.

- Acho que nada foi passado. Estava na minha sala. A gente sabe que o Vasco vai resolver. Temos de deixar isso de lado. Se isso incomodar, será uma derrocada muito grande. Esse grupo trabalha muito independentemente da situação.

Injustiçado pelas críticas?

- Não me sinto. Trabalho no Vasco, assim como outras pessoas. É incriível como se dedicam. Médico, fisioterapeuta, segurança... Essa lealdade do pessoal que não aparece tem a ver com a dedicação dos jogadores.

- Todo o jogo preocupa. A gente estava preocupado com o ABC, um time muito rápido. O Goiás foi bem no ano passado, mas fica um jogo melhor de jogar. Os caras entraram muito satisfeitos no vestiário.

Ele está merecendo fazer um gol. Hoje deu uma assistência. No jogo passado, o time foi mal contra o Resende, mas ele se dedicou muito. Acho que ele se sentiu mais leve pelo lado esquerdo, encontra melhor os espaços. Assim como o Vinicius rende melhor pelo lado direito.

Fonte: GloboEsporte.com