Confira na íntegra a entrevista coletiva de Zé Ricardo

27/01/2018 às 20h44 - FUTEBOL

O técnico Zé Ricardo, depois do empate em 0 a 0 com o Flamengo, neste sábado, já está pensando na estreia da Libertadores. Depois da partida pela Taça Guanabara, no Maracanã, o treinador falou sobre a necessidade de suprerar as falhas e os "contratempos" para começar bem a competição continental, na quarta-feira, no Chile, contra o Universidad de Concepción.

- Achei que a gente precisava hoje competir bem. Libertadores é o grande foco para a gente. Logicamente, alguns contratempos aconteceram. Mas a gente não tem mais que ficar falando de passado. Rapidamente montar uma estratégia para o jogo de quarta-feiria. Sabemos que iremos enfrentar equipe difícil, que joga de forma muito intensa, veloz. As substituições do Flamengo deram essa intensidade. Saio satisfeito não pelo resultado, mas pelo comprometimento - disse Zé.

O técnico do Vasco também analisou a atuação da equipe no empate com o Flamengo. Principalmente no primeiro tempo, o Cruz-Maltino teve chances de abrir o placar, mas não aproveitou e se viu mais longe da classificação para a semifinal da Taça Guanabara - precisa torcer para o Volta Redonda vencer ou empatar com a Cabofriense e para Bangu e Nova Iguaçu, todos com quatro, empatarem.

- Primeiro tempo gostei mais. Tivemos boa posse de bola. Faltou um pouquinho mais de infiltração e ruptura por dentro, mas o Flamengo é uma grande equipe. Foi importante a gente jogar contra uma equipe que tem toda essa qualidade e competir de igual para igual. O resultado dá confiança para a gente seguir - completou Zé.

O Vasco já viaja neste domingo para o Chile, onde inicia a preparação para a estreia na Libertadores.

Veja outros trechos da entrevista coletiva de Zé Ricardo:

Adversário da Libertadores

- Não acredito (em maior competitividade do Vasco). Fizeram quatro amistosos. A mesma quantidade de jogos que fizemos. Eles tiveram chegada de jogadores, nós tivemos saídas. É uma competição que precisa saber jogar. Nesse ponto, não acredito que o Concepción saia atrás da gente. Estádio tem grama baixinha, joga em grande velocidade, com variação de jogo. Trouxeram dois jogadores muito bons, Pineda e Figueroa. Não acredito que a gente vai ter facilidade por causa disso, não.

Situação no Carioca

- Não quero cometer gafe, mas matematicamente não estamos eliminados ainda.

Nenê

- Ano passado soube que naquele impasse que o Nenê teve houve possibilidade de saída. Quando cheguei, ele se adaptou muito bem. O clube identificava que o Vital seria o substituto natural. Tivemos a perda do Vital, e agora a perda do Nenê. Ele era uma referência técnica. Mas tem esse direito de escolha. Enquanto esteve com a camisa vascaína, representou muito bem. Fiz o pedido a ele de ir a Bacaxá, ele se colocou muito rapidamente para ir, jogou os 90 minutos, estava animado.

Torção de Paulinho

- Paulinho está totalmente recuperado da torção no tornozelo. É natural quando começa a pré-temporada. Ele é um atleta em formação ainda. Não podemos fazer comparação.

Opções sem Nenê

- Evander foi adiantado um pouquinho, conversei com ele. Há um tempo que não vem jogando de costas. A gente vem tentando fortalecer ele jogando de frente (como volante). Entendo que o Wagner pode jogar. É uma ideia nossa que ele possa jogar e gerenciar esse espaço. Por pouco não conseguimos colocar o Thiago Galhardo, que joga naquela função.

Fonte: globoesporte.com

Enquete

Quem você gostaria que fosse o novo técnico do Vasco?

Deixe seu comentario