Denílson relembra como Henry reagiu com a entrega da camisa do Vasco

13/05/2020 às 13h01 - FUTEBOL

Thierry Henry é um dos maiores ídolos da história do Arsenal, pelo qual marcou 174 gols em 254 partidas e conquistou diversos títulos, incluindo a Premier League de forma invicta (2003/04).

O volante Denílson, que saiu do São Paulo para os Gunners em 2006, lembra que suas pernas tremeram de nervoso quando conheceu o atacante, que estava com o técnico Arsene Wenger e o meio-campista Gilberto Silva.

“Quando olhei para eles eu pensei: ‘É mentira que estou aqui’. É uma situação que você não imagina. Ver esses caras jogando na televisão, os invencíveis”, disse, ao ESPN.com.br.

O brasileiro conta que Henry foi o jogador que mais o impressionou tanto pela postura dentro de campo quanto pelo profissionalismo.

“No treinamento ele era um cavalo. Era bonito de vê-lo jogando. Todos os jogos e treinos ele destruía com aquelas pernas longas dele, era um absurdo. Eu jogava com ele no videogame e quando fui atuar junto fiquei muito mais impressionado. Quando você esta ao lado do cara é outra coisa”.

“Ele foi o cara! Dentro de campo que quando joguei fazia coisas que pelo amor de Deus. Era animal! A qualidade técnica, a arrancada e a iniciativa dele em dominar uma bola e frear. Vários movimentos que ele faz e você pensa: ‘Esse cara é de verdade?’”, recordou.

Denílson garante que apesar de toda a fama e idolatria, Henry não tinha qualquer tipo de afetação.

“Ele conversava normalmente com o pessoal. Era o capitão e tinha voz ativa grande junto com os outros jogadores experientes”, disse o brasileiro.


Camisa do Vasco

Denilson lembra que ficou surpreso pelo fato de Henry conhecer alguns cânticos de torcidas brasileiras.

"No vestiário aqui do Arsenal, ele gostava de cantar para mim: 'Vascooooo' (risos). Ele repetia o que a torcida fazia, eu achei que ele gostava do clube. Dei uma entrevista para a [Revista] Placar no Brasil e contei isso".

A diretoria do clube carioca ficou sabendo da história e foi até Londres levar uma camiseta autografada por Romário com dedicatória aos jogadores.

“Ele ficou muito feliz com o presente, foi algo bacana”, contou o volante.

O brasileiro não soube precisar de onde Henry conhecia a música, mas o francês já declarou ser fã de Romário e disse que Baixinho e Ronaldo Fenômeno "reinventaram a posição de centroavante”.

“Eles foram os primeiros a sair da área para buscar a bola [...] atrair e desorientar os zagueiros com suas corridas, acelerações e dribles", disse à revista Blizzard.

Fonte: ESPN