Discurso de Euriquinho surpreendeu a oposição de Alexandre Campello

04/06/2019 às 08h01 - POLÍTICA

Um discurso de Eurico Brandão, o Euriquinho, filho de Eurico Miranda, foi decisivo para a permanência de Alexandre Campello na presidência do Vasco. Em meio à possibilidade de impeachment, a aparição do ex-vice de futebol, cargo que ocupou quando o pai estava em seu último mandato, surpreendeu o grupo de Roberto Monteiro, que preside o Conselho e é um dos mais atuantes na tentativa de afastar o mandatário do cargo.

A votação era para decidir se seria aberta, ou não, uma sindicância contra o presidente do clube. A reunião no Conselho Deliberativo, invadindo a madrugada de terça-feira, decidiu (por 105 votos contra e 97 a favor) que tudo segue como está, ou seja, ele não precisará renunciar, como foi comentado ao longo do dia, tampouco será forçado a deixar o cargo antecipadamente.

Integrantes da situação ficaram mais confiantes depois da fala de Euriquinho, que perdeu o pai em 12 de março e fez uma homenagem nesta noite – vestia um suéter como o do velho cartola. "Não vamos derrubá-lo sem ter uma solução concreta. Nenhum de nós tem. Conversei com todas as correntes do Vasco. Nenhuma me apresentou solução razoável. Sem nenhum carinho pessoal pelo presidente, nem um mísero pontinho, pensando no Vasco e tendo a certeza que não existe outra solução, peço que considerem a não formação dessa comissão. E que o Alexandre entenda que é necessário fazer política. Tem que se aproximar", ponderou Euriquinho em seu discurso que arrancou aplausos de boa parte dos presentes.

Houve relatos de que conselheiros comentavam antes da votação, secreta, que o discurso de Euriquinho os fez mudar seus votos, ou seja, a priori seriam a favor da sindicância, mas decidiram ir contra, favorecendo o presidente vascaíno.

"Por mais que você tenha divergências, deve se pensar no clube. Tirar um presidente é muito ruim. Ele [Euriquinho] entendeu por aí, colaborou muito com a sua fala. Estamos abertos para conversar. Não tenho restrição, nenhuma resistência a qualquer tipo de apoio ou ajuda. Desde que o Vasco esteja colocado em primeiro lugar", reconheceu Campello, após a votação que salvou seu mandato.

Na sequência da apuração dos votos, um empréstimo de R$ 10 milhões foi aprovado por unanimidade. Outro, de R$ 20 milhões, será votado na próxima segunda-feira. A ideia é pagar salários em atraso e acertar contas. Alexandre Campelo está livre do risco de impeachment. Ao menos por enquanto no tiroteio político que há tempos toma o Vasco da Gama.

Fonte: UOL Esporte