Entrevista: Dinamite fala sobre reforços e quer renovar com Leandro Amaral

06/07/2008 às 11h34 - CLUBE

Confira a transcrição da entrevista do presidente do Vasco, Roberto Dinamite, à TV Lance.

REALIDADE

"Nos foi mostrado algumas coisas. Outras foram olhadas, no que diz respeito ao funcionamento. Ainda preciso de mais. Apesar de termos essa informação, ainda extra-oficial, de que o Vasco já utilizou todo o recurso desse ano, e também o de 2009 acho que com relação só ao Campeonato Carioca. É uma coisa que vou estar junto com o presidente do Clube dos 13 [Fábio Koff] para saber. Vou também procurar o presidente da Federação [Rubens Lopes] para que a gente possa, nesse curto tempo, saber tudo. A informação que a gente tem do presidente que estava aqui [Eurico Miranda], é que o clube realmente está zerado. Não só o Vasco, mas a maioria dos outros clubes deram essa antecipação de recursos. Temos que ter essa preocupação porque temos um compromisso com os atletas e, principalmente, os funcionários da casa".

"Estou agora falando, mas tem gente andando e indo em alguns lugares, já conversando com pessoas. Não adianta ficar todo mundo dentro do clube. Hoje tem as pessoas para levantar e saber isso. Estamos procurando e precisamos ter. Você não tem noção ou tem alguma coisa. Mas de forma oficiosa é complicado".

CAPTAÇÃO DE NOVOS RECURSOS

"Fora isso, estamos conversando. Já conversamos com algumas pessoas e algum segmento. É uma questão de tempo. Nesse primeiro momento a gente tem que buscar esse caminho para viabilizar. Amanhã você pode ter alguém como parceiro aqui dentro. Não posso chegar para você e falar \"As portas...\". Não, existe uma vontade muito grande. As portas estão se abrindo no sentido principalmente dessa confiança, das pessoas que estão envolvidas, dessa credibilidade. Acho que é fundamental para você tocar a vida do clube. Mas não venho prometer que vai ser amanhã ou depois, porque senão você cria uma expectativa".

DIÁLOGO

"Mas só em eu estar ali... É a primeira vez que um presidente vai ali para falar com ele. Acho que isso não custa nada. Queremos resolver. Agora, para resolver temos que olhar, sentar e falar \"Isso é possível\", \"Isso não é possível\". Com o tempo vão ver que vai ser uma coisa diferente e bem verdadeira. Não sei trabalhar de outro jeito, apesar de encontrarmos uma situação, nesse aspecto administrativo, ainda muito delicada. Mesmo não tendo oficialmente a situação, mas a gente sabe que é uma situação muito difícil. Mas estamos caminhando e buscando".

REFORÇOS

"Queremos dar condições e, se possível, reforçando. A gente sabe e tem visto algumas carências que se fazem necessárias. Agora, a gente tem que ser realista. Podendo fazer agora, vamos fazer. Não podendo, vamos ter que esperar e, quem sabe, projetar isso para o próximo ano. Mais do que nunca, vamos ter uma dificuldade muito grande nesses primeiros praticamente seis meses ou cinco. Estamos cientes disso. Por um lado, temos que buscar, mais do que nunca, aquilo que falamos, no sentido dessa credibilidade. Ela vem em cima desse trabalho de reestruturar e melhorar a cara do Vasco, dar condições para que o Vasco possa realmente ser um Vasco forte no ano seguinte. Mas não podemos esquecer que o Vasco está dentro de uma competição, que é o Campeonato Brasileiro. O Vasco precisa, mais do que nunca, ir muito bem na competição".

"Felipe é um grande jogador? É. É um cara que dentro do time do Vasco pode chegar e vai ser titular? É claro que sim. Agora, é uma realidade que hoje, nesse primeiro momento, estamos vivendo essa parte administrativa do clube. O próprio Juninho Pernambucano. Estive participando até lá na despedida do Sonny Anderson [do Lyon, em 11/06/2007]. O Juninho lá é ídolo, como o Anderson também é. O Juninho é hexacampeonato. Ele é um jogador que tem uma identificação com o clube. A torcida grita e gosta em razão de uma conquista que teve com o Vasco. De uma forma geral, é isso que queremos ver se a gente consegue reconquistar ou ao menos conquistar. Ver se você consegue no futuro pensar em jogadores assim e também dar a oportunidade para que outros possam chegar a esse patamar. Conversei com o Lopes, que disse \"Tem garotos aqui que são novos. Hoje eles sentem, mas no ano que vem, de repente esses jogadores têm condições de ajudar o Vasco\". São jogadores que têm talento e podem evoluir. Em todo clube você não pode parar no tempo e falar \"Daqui a um ano vamos ter um time campeão\".

LEANDRO AMARAL, SONDADO PELO AL-RAYYAN, DO CATAR

"O jogador que tem uma situação mais delicada é o próprio Leandro Amaral. O contrato dele termina agora no final do ano, em 14 de dezembro. Acho que é o jogador, dentro desse grupo dos jogadores titulares, que tem o contrato terminando nesse ano. A gente ouve que se tem uma situação. Mas acho que, mais do que nunca, dentro desse contexto, dessa situação que estamos vivendo hoje, vamos separar um tempinho nosso, da diretoria, para trabalhar uma situação com relação ao Leandro Amaral. É claro que essa situação hoje do futebol brasileiro é outra. Se o cara de repente recebe uma proposta, que vai também de encontro à necessidade do clube... Mas dentro da minha visão, nesse primeiro momento... Leandro Amaral é um bom jogador? É. Ele já correspondeu e demonstrou isso dentro do Vasco? Já. Então esse jogador, para nós, é importante. É uma prioridade".

MORAIS, QUE TEM CONTRATO ATÉ 2011

"Acho que todo jogador, e o Morais faz parte desse nível de bons jogadores do Vasco... Queremos que ele realmente permaneça, desde o momento em que o jogador também tenha esse interesse. Acho que ele é muito bom jogador. Hoje o mercado te exige e, ao mesmo tempo, te tira, em alguns momentos, a possibilidade de você poder garantir a permanência de um jogador. Se amanhã surgir alguma coisa... Antes de qualquer decisão, vai ser consultado o treinador".

Fonte: Vasco Expresso