Fora dos planos do Vasco, Winck trabalha de olho em seu futuro no futebol

25/01/2020 às 08h36 - FUTEBOL

O lateral-direito Cláudio Winck, de 25 anos, está fora dos planos do Vasco desde o início de 2020. Segue trabalhando no CT do Almirante em horário alternativo em relação ao do restante do plantel, porém não será utilizado por Abel Braga, situação na qual também estão inseridos Rafael Galhardo e Bruno César.

Ciente de que seu ciclo na Colina está praticamente encerrado, Winck trabalha em três frentes a fim de chegar bem mental e fisicamente ao seu próximo clube.

- De minha parte, trabalho em três turnos durante a semana. Pois, além dos treinamentos no Vasco, treino com um personal de forma particular no contraturno e tenho acompanhamento com meu coach, que me ajuda a manter a cabeça no lugar para poder organizar minha carreira da melhor maneira possível.

- É preciso disciplina e total dedicação neste momento para que logo eu possa voltar a jogar e seguir minha carreira no futebol. Sou jovem e procuro tratar essa situação que vivo como um aprendizado pra minha vida, pois são nestes momentos difíceis que nos tornamos pessoas mais fortes.

Foto: Hector WerlangCláudio Winck durante a pré-temporada vascaína em 2020
Cláudio Winck durante a pré-temporada vascaína em 2020

À espera de um novo clube, Winck não esconde que estar à parte do elenco principal o chateia, mas só vê um caminho para se recolocar - e bem - no futebol: aumentar a entrega nos treinamentos antes de aceitar um novo desafio.

- Desde o ano passado meu objetivo foi trabalhar forte pra ficar à disposição no grupo. Todo atleta quer fazer parte dos planos do clube e não posso esconder que isso me incomoda. E, mesmo neste tempo, me esforço e trabalho com a mesma seriedade, pois preciso pensar na continuidade da minha carreira, seja no Vasco ou em outro clube que se interesse por mim como atleta.

Confira outros tópicos:

Por que ainda não definiu seu futuro: as opções não agradaram até agora?

Quem tem cuidado dessa parte é o meu empresário que procura sempre me atualizar de situações que podem acontecer. Ele sabe o que eu quero e está trabalhando pra isso. Meu papel é me manter preparado pra dar sequência a minha carreira e ter condições pra entrar em campo assim que tiver uma nova oportunidade.

Hoje sou atleta do Vasco e me dedico como tal. Espero que logo tudo se resolva e eu possa voltar a fazer o que escolhi pra minha vida profissional.

Carinho por Abel, com quem viveu o auge na carreira, em 2014

Meu empresário está atento ao mercado, mas ao mesmo tempo tem conversado com a diretoria sobre a minha situação. Já trabalhei com o Abel e com ele vivi um grande momento da minha carreira jogando pelo Internacional. O considero um dos principais treinadores que temos no Brasil e isso me motiva muito por ele estar aqui. Mas sei que a minha permanência não depende somente da opinião do treinador. É um conjunto de fatores que estão sendo analisados juntamente com quem me representa.

Gostaria de conversar com a diretoria do Vasco e tentar um reinício no clube?

Isso já aconteceu e estou à disposição. Procuro não me preocupar com isso, pois os responsáveis estão em contato pra definir o que será melhor pra mim e para o clube. Se ficar, farei o melhor possível dentro de campo pelo Vasco. Se definirem que devo seguir para outro desafio, farei com o maior prazer, pois o que mais quero é voltar a jogar.

O que alegaram a você para tirá-lo dos planos: decisão do Abel ou da diretoria?

Eu fiquei meio por fora dessa situação. O Abel conversou comigo, mas prefiro não expor esta conversa que foi nossa, particular. Todos me conhecem e sabem do meu potencial. Meu objetivo sempre foi colaborar da melhor maneira possível e sigo fazendo isso. Independentemente da decisão que for tomada, respeitarei o que for definido e focarei na retomada da minha carreira o mais rápido possível.

Fonte: Globoesporte.com