Guerra dos balanços: Entenda a nova disputa política no Vasco

10/11/2018 às 08h02 - CLUBE

Dois balanços, dois presidentes, um Conselho Deliberativo. Na última quinta-feira, o Vasco teve mais um capítulo de sua rixa política, com os conselheiros votando a favor da prestação de contas de Eurico Miranda e sugerindo que Alexandre Campello revise seu balanço publicado em abril – o presidente já afirmou que não o fará de forma significativa.

Mas, afinal, o que isso resulta na prática para o Vasco? Abaixo, o GloboEsporte.com tenta responder questões sobre a polêmica.

Confira:

Existe diferença entre balanço e prestação de contas?

Segundo Alexandre Campello, só há um balanço: aquele publicado por ele em abril. Na visão do atual presidente do Vasco, o documento entregue por Eurico Miranda é uma simples prestação de contas. Mas há controvérsias.

O próprio texto entregue por Eurico vem com o nome de balanço patrimonial. Parte dos conselheiros presentes na reunião de quinta entende que o que foi decidido é que o balanço de Eurico é o que vale.

- O relatório contempla o balanço patrimonial e as demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, bem como notas explicativas, que representam as demonstrações contábeis exigidas pelas normas aplicáveis a entidades desportivas – analisou Rodrigo Albuquerque, auditor da Mazars, empresa francesa que analisa os balanços de Flamengo e Fluminense.

Se os dois são balanços, qual está valendo?

Essa é uma questão sem decisão ainda. Campello defende que o válido é o seu, publicado em abril. No máximo, pode revisar o balanço com as informações contidas no documento de Eurico – como sugerido pelo Conselho Deliberativo. Isso, porém, tem pouca chance de acontecer, como dito pelo próprio Campello.

Para Roberto Monteiro, presidente do Conselho Deliberativo, o que vale é o balanço de Eurico Miranda.

- A resposta é fácil. O balanço que foi aprovado pelo Conselho Deliberativo por maioria foi o do Eurico. Porque existiam dois balanços. Não tem balanço/prestação de contas. Existiam dois balanços. O conselho deliberativo por maioria recebeu o balanço do Eurico. No terceiro item, o Conselho também por maioria aprovou a prestação de contas contidas no balanço do Eurico e o parecer do Conselho Fiscal.

Por que Eurico decidiu apresentar um balanço próprio?

Aliados do ex-presidente acreditam que esse é seu gran finale no Vasco. Com problemas de saúde, Eurico via como última missão conseguir aprovar suas contas. Ele ainda é presidente do Conselho de Beneméritos.

Antes da publicação do balanço de Campello, Eurico insistiu que fosse o responsável pelo documento, inclusive o assinando. O atual presidente do Vasco, porém, resistiu ao pedido, mas aceitou, ainda no início do ano, que Eurico entregasse as contas posteriormente.

Quais as diferenças entre cada balanço?

De acordo com parecer do Conselho Fiscal, "há divergências entre os números apresentados, notadamente no que diz respeito aos valores da dívida do clube em dezembro de 2017 (aproximadamente R$ 62 milhões), do ativo (R$ 72 milhões) e do passivo líquido negativo (R$ 10 milhões)".

Quais auditorias assinam cada balanço? E qual o parecer?

A BDO assinou o balanço de Campello; o de Eurico foi analisado pela Anend. Em ambos os casos, porém, as auditorias se abstiveram de opinião. No mercado, isso é considerado grave.

- Estas demonstrações contábeis são acompanhadas de um relatório de auditoria independente com abstenção de opinião pelo auditor. Em outras palavras, nenhum dos documentos reflete a posição patrimonial, os resultados, mutações do patrimonio ou fluxos de caixa do Vasco em 2017, de acordo com os auditores independentes – completou Rodrigo Albuquerque.

Como o mercado pode reagir a esta indefinição?

Para o jornalista Rodrigo Capelo, especializado no assunto, fica evidente a questão política, o que causa desconfiança entre possíveis investidores.

- Toda a discussão em torno das contas referentes ao ano passado, último ano do Eurico, é puramente política. Se Campello conseguisse reprovar as contas de Eurico, indicaria que há números equivocados, e a consequência disso seria mais um enfraquecimento político. A aprovação, por outro lado, passa um péssimo recado ao mercado, que não é bobo. O mercado sabe que a polêmica tem cunho político e fica com a impressão de que não dá realmente para confiar na gestão do Vasco. Daí a tentativa de tornar a aprovação de um balanço diferente numa prestação de contas, algo com outro nome, mas o mesmo significado.

Quais as possíveis cosequências para o Vasco?

O Vasco foi notificado recentemente pela Apfut. Isso porque, no balanço assinado por Campello, havia alguns descumprimentos de regras do Profut, a lei de responsabilidade de gestão do futebol.

- A APFUT vê com preocupação a reunião de ontem (quinta-feira), uma vez que recebemos do presidente Alexandre Campello as demonstrações contábeis, e com base nelas e em outros documentos tomamos as nossas providências. A Apfut é reconhecida pelo mercado como um órgão que trabalha visando a sustentabilidade das instituições esportivas a longo prazo - disse o presidente da Apfut, Luiz Mello, ao jornal “O Globo”.

Na fala de Mello, há a preocupação evidente de qual balanço deve ser considerado. O Profut permitiu aos clubes brasileiros renegociar suas dívidas tributárias com o governo.

Como se posicionaram as correntes políticas do Vasco?

Ao todo, foram 112 votos aprovando o balanço de Eurico, 47 reprovando e três abstenções. Entre os grandes beneméritos e beneméritos, a vitória do ex-presidente foi massiva: apenas três votos contra - de Otto Carvalho, Faues Mussa e Aloysio Costa.

Campello se absteve de votar. Seus grupos de apoio na gestão, como Cruzada, Desenvolve Vasco e PetroVasco, reprovaram o balanço. O mesmo caminho foi tomado pela Sempre Vasco, de Julio Brant.

Posicionaram-se a favor do balanço, em maioria, os grupos Identidade Vasco e Casaca.

Foto: Paulo Fernandes/Vasco Alexandre Campello assina o termo de posse sob olhares de Roberto Monteiro e Elói Ferreira
Alexandre Campello assina o termo de posse sob olhares de Roberto Monteiro e Elói Ferreira

Fonte: Globoesporte.com