Joia do Vasco vive história de superação e quer brilhar no clube

01/01/2020 às 08h00 - CATEGORIAS DE BASE

Toda vez que Juninho acerta um petardo de fora da área e balança a rede adversária, a comemoração é a mesma: uma mão tapa um dos olhos e ele pensa em , seu irmão. Vem do pequeno Matheus, de sete anos, que perdeu um olho devido a um câncer, a inspiração para o volante do Vasco buscar seus sonhos e vingar na carreira.

- O futebol representa tudo na minha vida. Antes era só brincadeira, mas depois que meu irmão teve um negócio sério, teve câncer no olho, perdeu o olho, comecei a levar a sério. Sempre quis poder ajudá-lo. Dar uma vida boa para ele. Sei que ele sofre por ter só um olho, não ser igual a outras crianças. Por isso jogo com todas as minhas forças para poder dar um futuro bom para ele - contou Juninho.

Força talvez seja o maior atributo de Juninho, de 18 anos. Dentro de campo também - ele cita como atributos a velocidade, a marcação, os chutes de fora da área e a capacidade pensar rapidamente na jogada.

Mas principalmente fora: o garoto saiu de Comendador Soares, bairro de Nova Iguaçu, para tentar a vida no futebol. Ficou seis anos no Flamengo, quatro meses no Volta Redonda, até chegar ao Vasco em 2016.

Em paralelo a tudo isso, porém, precisou ajudar em casa: já vendeu doce no ônibus, CD e DVD na rua, trabalhou em padaria...

Hoje, o pai de Juninho tem uma barraquinha de doce em Vargem Grande, perto do atual centro de treinamento do Vasco. É uma imagem simbólica: o quão perto o volante está de seu principal objetivo.

- Eu ajudo o meu pai. Depois que subi para o sub-20, minha vida ficou muito corrida. Mas sempre que tenho tempo vou para a barraca ficar com ele, bater um papo, contar as novidades. Eu me orgulho muito de ter trabalhado. Já trabalhei numa padaria de doce com ele com uns 10 anos. Vendi CD e DVD na rua, vendi doce no ônibus. Trabalhei com muita coisa com o meu pai e acho que hoje faz isso ser o homem que sou. Me sinto um grande vencedor mas sei que tenho muito a conquistar ainda.

Juninho é visto como uma das promessas do atual time sub-20 do Vasco. Ele chamou a atenção pela forma como desempenha as funções no meio-campo. É um volante que marca e também sabe chegar na frente. Sua inspiração está em uma cria cruz-maltina com história parecida: Douglas Luiz, hoje no Aston Villa, da Inglaterra.

- Eu conheço a história dele e acho que tenho muita coisa parecida com ele. O jeito de jogar, o jeito de pensar, o chute, a marcação, velocidade, força. Ele me inspira muito pelo jeito como subiu para o profissional. Lembro que ele não era titular da posição, ganhou uma oportunidade e aproveitou. Espero fazer isso também. Ter uma oportunidadezinha no profissional para dar o meu melhor e aproveitar ao máximo.

A Copinha e Abel Braga

A notícia de que o novo técnico do Vasco, Abel Braga, vai utilizar mais a base animou Juninho. Para chamar a atenção do comandante, o volante terá a Copa São Paulo de Futebol Júnior como oportunidade. Titular na equipe do técnico Alexandre Grasseli, ele tem a expectativa de se destacar no torneio.

- Eu sei do meu potencial e sei que venho lutando, batalhando muito para isso. Saber que ele (Abel) usa a base não é só motivação para mim, mas para todos da equipe. Espero conseguir alegrar ele para poder um dia, quem sabe, ir treinar lá em cima no profissional e poder subir. Esse é o sonho de toda criança.

O Vasco estreia na Copa São Paulo de Futebol Júnior no próximo sábado, contra o Carajás, em Itapira. Será mais um passo para Juninho seguir em suas batalhas e alcançar o objetivo.

Fonte: GloboEsporte.com