Leia na íntegra o discurso de Euriquinho que surpreendeu Conselho do Vasco

06/06/2019 às 13h39 - FUTEBOL

O cenário para Alexandre Campello era dos piores na reunião do Conselho Deliberativo do Vasco na última segunda-feira. A maioria dos conselheiros estava propensa a votar pela abertura de uma sindicância contra o presidente que poderia acarretar em um afastamento ou até num impeachment. Mas um discurso surpresa ajudou a diretoria, que venceu por 105 votos a 97.

Euriquinho, filho do ex-presidente Eurico Miranda, ex-diretor de futebol do Cruz-Maltino e Grande Benemérito, foi ao púlpito e discursou por cerca de oito minutos. Em meio a aplausos em diversos momentos, disse que era contra a sindicância. Não por ter carinho por Alexandre Campello, mas por enxergar que votar “não” seria o melhor para o Vasco.

Veja, abaixo, o discurso que, para muitos, lembrou antigas passagens de Eurico Miranda pelo Conselho Deliberativo do Vasco:

"Me apresente uma solução concreta, onde vamos arrumar dinheiro, onde vamos arrumar atletas para resolver o problema do nosso clube. Não vamos derrubá-lo sem ter uma solução concreta. Nenhum de nós tem. Nenhum de nós tem a solução! Eu não tenho, por isso não derrubo.

Se eu tivesse uma solução ou se algum dos senhores... Eu conversei com todas as correntes do Vasco. Com todas elas! Todas! Nenhuma me apresentou UMA solução razoável para nos livrar do problema. O problema é grave.

Estamos em último (lugar no Campeonato Brasileiro). A probabilidade de sermos rebaixados e decretarmos o fim da nossa instituição, porque o rebaixamento desta vez não é apenas moral. Não é apenas moral. O rebaixamento desta vez é financeiro e é muito grave. Muito grave.

Não temos solução. Algum dos senhores que tiver uma solução... precisamos de 30 milhões. Não é um real. 30 milhões para conseguir fechar o ano pagando salário de atletas. 30 milhões nós não vamos arrumar do dia para a noite. Eles devem estar negociando isso há cinco seis meses. Não sei se é verdade, se vão conseguir, mas eu tenho de acreditar que eles vão conseguir!

Mesmo achando ele (Alexandre Campello) incompetente, o outro incompetente, a gestão dele não é boa. Eu não sou a favor deste tipo de gestão, deste modelo ou daquele. Mas é a única chance. Quando que nós daqui a 30 dias, que não vai acontecer, só vamos parar o clube, porque não tem unidade nesse Conselho para um impeachment, que leva dois terços dos votos, nós vamos voltar daqui um mês, depois de uma sindicância, e os senhores sabem que não vamos aprovar o impeachment.

Nós vamos simplesmente voltar para 30 dias depois. Porque ele vai ser absolvido na comissão. Sabe por quê? Porque só tem um caminho: a suspensão. E quem vota hoje pela comissão não vota pela suspensão. Não vota pela suspensão!

E sabem disso. E tem de ter a responsabilidade de saber que vamos paralisar por quantos dias for. Cinco, dias, quinze, trinta. Não sei quantos, mas vamos ficar paralisados e vamos voltar para o mesmo lugar. Vamos voltar para o mesmo lugar, mas piores. Com um presidente enfraquecido, com uma possível negociação de empréstimo interrompida e talvez, quiçá, implodida para sempre. E sem a possibilidade de mexermos no futebol.

Futebol, futebol... Do lado de fora é muito diferente. Lá dentro é um problema sério. Lá dentro eu sofri muito. Lá dentro é uma fod*, desculpem a palavra. Mas é uma fod* viva. Na situação em que nós estamos, sem dinheiro, sem credibilidade. É praticamente impossível fazer futebol.

E o que nós estamos fazendo é inviabilizando cada vez mais. Quem assumir o clube... Vamos imaginar, vamos imaginar: aprovamos a sindicância hoje numa conjuntura política hoje que eu não acredito e a maioria dos senhores não acredita, chegamos a um consenso pelo impeachment do presidente, daqui a 30 dias. Hoje, temos alguns nomes possíveis. Possíveis. Que se ventilaram.

José Luis Moreira, o próprio Luis Manoel, o Júlio, que está aqui, Brant, que é uma opção. Vamos estar daqui a um mês metralhando eles. Como que eles vão arrumar uma solução em 24h? como que assume um clube que tem 600, 700, um bilhão... Não sei quanto.

Porque isso é um outro problema do Vasco. A gente assume uma coisa sabendo que é desse tamanho o problema, mas quando chega lá diz: “eu não sabia”. Ninguém aqui não sabia de nada. Todo mundo aqui sabe o tamanho do problema do Vasco.

E o tamanho e o quão é complicado tirar o Vasco, principalmente que é o que a maioria de nós está preocupado, que é com o futebol. Dinheiro, finanças, um dia resolve. Mas o futebol mexe com a cabeça, mexe com o coração.

Como que alguém que assume um clube em... Estamos em 3 de junho. Vamos supor que demore um mês. Dia 1º de julho, com praticamente todas as contratações do futebol brasileiro encerradas, sem um real no caixa, devendo dois ou três meses de salário, vai dar uma solução contra o rebaixamento?

Eu só queria entender isso. Como que nós podemos pensar que isso vai ser uma solução. Não vamos contratar ninguém. Não vamos ter dinheiro para pagar. E vamos nos f*. É simples.

Então, sem, sem, sem nenhum carinho pessoal pelo presidente da diretoria administrativa. Nenhum. Um mísero pontinho. Não tenho. Tive uma relação muito desgostosa com ele. Muito. Pode ser que um dia volte. Pode ser que um dia volte. Tudo nessa vida, aqui eu já vi muita gente que não se relacionava, brigou e depois se relaciona. Paixão de clube de futebol é assim. Muda, muda. Com o tempo, tudo muda.

Mas pensando no Vasco e pensando e tendo a certeza que não existe outra solução, que não existe outra solução, peço aos amigos que considerem a não formação desta comissão e que o Alexandre entenda de uma vez por todas que é necessário se fazer política num clube de futebol e aprenda que ele tem de se aproximar das pessoas, ceder, abrir caminho para ajuda, abrir caminho para tudo. Ele tem de aprender isso. Ele não aprendeu isso. Ele tem de aprender isso, porque se não, meus amigos, se ele não fizer isso, nós só estamos adiando a morte dele".

Fonte: GloboEsporte.com