Luso e Coelho falam sobre trabalho da nova administração

05/07/2008 às 17h39 - CLUBE

O vice-presidente do Vasco, Luso Soares da Costa, comenta o trabalho na gestão de Roberto Dinamite.

"Até o planejamento tem sido prejudicado, naturalmente, por todos os problemas naturais que acontecem em uma transição. Mas estamos indo muito bem, graças a Deus. Só trabalhando muito, de 9h às 21h", disse ao repórter Cláudio Perrout, da Rádio Globo.

"O Vasco merece essa grandeza e também os vascaínos querem isso. Estamos trabalhando para essa grandeza. Ela retorna".

O presidente do MUV (Movimento Unido Vascaíno), José Henrique Coelho, que estava suspenso do quadro social do Vasco na administração de Eurico Miranda, fala sobre o processo até a nova diretoria tomar posse.

"A suspensão foi suspensa. A maior satisfação que todos estamos tendo hoje é que esse trabalho de equipe obteve sucesso. Não é o trabalho de um, do Zé Henrique, Luiz. Foi o trabalho de um conjunto de vascaínos que se reuniram ao longo desses três anos e conseguiram apresentar ao quadro social, junto com beneméritos e grandes beneméritos, inclusive grandes vascaínos que sequer eram sócio ou tinham deixado de ser há muito tempo. Eu diria que o Vasco vive hoje um momento especial da sua história, onde existe uma energia muito grande para podermos fazer esse resgaste do espírito vitorioso e campeão que o clube sempre teve".

Coelho, que acumula as vice-presidências de divulgação, relações públicas e relações especializadas, comenta a relação que deverá ser mantida com o Clube dos 13, do qual Eurico era vice-presidente.

"A nossa briga foi contra a fraude. O Vasco passou por um processo muito ruim. Foi fraude de balanço e em duas eleições seguidas. Com o Clube dos 13 não acredito que haja questão de fraude, portanto, acho que a habilidade que temos de negociar junto vai fortalecer e fazer o Clube dos 13 ainda mais forte. O Roberto Dinamite é uma pessoa habilidosíssima. Ele tem demonstrado na sua vida privada o hábito de saber negociar. Ele tem uma carreira parlamentar. Um parlamentar nada mais é do que uma pessoa que ouve e fala. Infelizmente, o parlamentar que o Vasco teve não tinha sido esse hábito. Ele só falava e não ouvia ninguém. Por isso, saiu do comando do clube. Acho que, na verdade, o Vasco tem muito a somar ao Clube dos 13 com essa postura de diálogo e esse quadro qualificadíssimo que possui de dirigentes, empresários, executivos, profissionais liberais e torcedores que somam informações. Quando o Vasco entrar na sua participação efetiva, vai enriquecer e vamos encontrar seguramente os pontos de consenso que levarão o futebol brasileiro a um passo mais adiante. Conseguimos no Vasco e acho que a nossa força junto ao Clube dos 13 vai nos levar um pouco mais adiante".

Fonte: Vasco Expresso