Marrony, sobre saída de alojamento: "Vasco me deu todo o suporte"

28/02/2019 às 16h24 - CLUBE

Ano novo, vida nova. Assim podemos definir 2019 na carreira de Marrony. Artilheiro do Vasco na Taça Guanabara e de contrato renovado com o clube, ele, depois de 5 anos, deixou o alojamento de São Januário para morar "sozinho" no Rio de Janeiro. Durante coletiva de imprensa na tarde desta quinta, ele falou do assunto.

- Já me mudei. Fiquei feliz com mais um objetivo meu. Todo moleque da base sonha com o que estou vivendo. Vasco me deu todo o suporte para isso. Desde quando cheguei aqui procurei dar meu melhor, sempre fiz amizades. Saí de casa com 15 anos. Se não fosse o Vasco acho que meus pais não iriam deixar eu ficar aqui. Por tudo que mostraram para a gente. Quando cheguei aqui era um moleque.

Mesmo com toda a estrutura, Marrony queria ficar mais próximo da família e comemorou o objetivo conquistado.

- Eu sou muito colado com a família. Até me zoam porque vou para Volta Redonda quando tenho folga. Hoje só meu pai está aqui contigo. Amanhã estão vindo dois carros de lá para ficar comigo. A maior saudade que eu sentia era da família. Meu pai, para me deixar sozinho aqui no Rio, é um perrengue. Tento sempre estar focado. Hoje que consegui tudo aquilo que pedi a Deus, tenho que fazer valer a pena, focar bastante. As coisas estão acontecendo. Não posso dar mole.


CONFIRA MAIS TÓPICOS DA COLETIVA

Tragédia no Ninho do Urubu
- Senti na pele o que aconteceu no Ninho, porque só eu sei o que é viver num alojamento. Você acaba fazendo muitas amizades. Muitos acham que é fácil, mas a gente sabe tudo o que a gente passa. É um lugar onde você consegue ficar de boa. Você cria uma família

Camisa leiloada mais valiosa
- Meu momento está sendo muito bom. Quando vi o negócio da camisa, fiquei muito feliz. Foi mais uma mostra que eu ganhei da torcida, da família. Fiquei feliz por ver o tanto de gente que disputou. Agora preciso estar focado para continuar desse jeito e aperfeiçoar cada vez mais. Tudo vem acontecendo no tempo de Deus. Eu venho trabalhando muito para isso com a ajuda da família e dos amigos. A expectativa é que a gente possa fazer um ano muito bom.

Saída de Rildo
- Ele passou ali, se despediu de todo mundo. Todo mundo aqui gostava dele, zoava junto com ele. É um jogador que vai seguir outro caminho e vai fazer falta para a gente. Agora é seguir em frente. Temos muitos bons jogadores aqui. Que o Rildo possa ser feliz e que a gente possa dar continuidade no trabalho.

Artilheiro do Vasco em 2019
- Não era não (objetivo de ser artilheiro do Carioca). Mas passou a ser. Comecei a pegar confiança com os gols. Na base meu apelido é Marromito (risos). Tenho que fazer valer a pena, correr e arriscar. Se não arriscar a gente não consegue nada. Vou até onde der.

Bom rendimento no início do ano
- Esse começo de ano que tive foi uma coisa surpreendente. É o que eu sempre falo: é trabalho no dia a dia. É consequência de um trabalho muito bem-sucedido aqui. Jogando eu me imaginava já. Mas ser artilheiro do time acho que é uma coisa meio louca ainda (risos). Mas é seguir e continuar nessa pegada aí. Fazer gols, que é o mais importante. Ajudar a equipe e ser feliz.

Concorrência no ataque
- Acho que é uma concorrência sadia. Quem estiver melhor para o Valentim vai jogar. O Rossi já rodou vários países, todo mundo conhece. Chegou para ajudar também. Tem muito jogador bom na posição: Yan, Lucas Santos. Meu foco é sempre jogar

Título da Taça Guanabara
- Desde que a gente se apresentou, Valentim passou uma mensagem para nós, de que iríamos lutar para ser campeões. Ao passar dos dias, a gente pegou essa palavra dele. Todo dia a gente pensava. O Castan nos dava força, falava que tínhamos que treinar como campeões. A gente tem que manter nossa humildade e fazer o resultado dentro de campo. Estamos invictos até hoje, que possamos dar sequência nesses jogos. Sabemos que é difícil, mas que possamos evoluir e ganhar.

Vinícius Júnior com 18 anos na Seleção
- Vinicius Júnior já deu bastante prejuízo, essa é a verdade (risos). É bom de bola, o enfrentei na base. Já ganhei, já perdi. Mas é um moleque bom que tem tudo para ser um dos maiores do mundo. É um espelho para muitos moleques, de todas as bases.

Choque de cabeça contra o Serra-ES
- Já estou 100%. Foi um susto. No dia fiquei meio inconsciente. Na TV dizem que pedi para voltar para o jogo, mas não lembro disso. Estou muito bem, fico feliz por estar de volta. Que possa ter a oportunidade de jogar no sábado.

Fama em Volta Redonda
- Desde o começo do ano venho me destacando. O conhecimento em Volta Redonda mudou bastante. Hoje em dia todo mundo está me conhecendo. Aqui no Rio quando vou no mercado ou no shopping tem torcedor que pede para tirar foto. Quero sempre estar perto da minha família, que é em Volta Redonda. É um lugar onde me sinto bem, muito feliz.

Fantasias de Carnaval
- Realmente está difícil de andar (em Volta Redonda). É bom quando acontece isso, porque estou sendo reconhecido. Levo na ousadia. Se quiser chegar, pode chegar, a gente dança, faz tudo. Não tem nada, não.

Fonte: Globoesporte.com