Maxi e Luxemburgo são pilares do Vasco para tentar sair da crise

16/05/2019 às 08h17 - CLUBE

Vanderlei Luxemburgo e Maxi López viveram um ponto alto de suas carreiras no mesmo dia. Era uma tarde no Santiago Bernabeu quando disputaram, em lados opostos, o maior clássico do mundo entre clubes: Real Madrid contra Barcelona. Quatorze anos se passaram, o desempenho não é mais o mesmo, e os dois têm que ajudar um ao outro para tirar o Vasco da crise, a partir do jogo de domingo, contra o Avaí, pelo Brasileiro.

No treino de quarta-feira, no CT do Almirante, houve um momento em que o técnico se dedicou exclusivamente ao argentino. Eles conversaram, e Luxemburgo orientou Maxi em um trabalho de finalizações. Aos 35 anos, o camisa 11 já teve tempo de sobra para aprender o fundamento. Era, na verdade, uma tentativa de aproximação entre os dois.
 

Em 2005, então treinador do Real, Luxemburgo levou a melhor: venceu o clássico por 4 a 2. Maxi entrou no segundo tempo para tentar evitar a derrota do Barcelona, mas não conseguiu. Este ano, é bom que tenha mais sucesso. O Vasco precisa. Neste momento de maior pressão na temporada, o técnico deve recorrer à experiência dele e de Bruno César, jogadores mais acostumados a esse tipo de situação. Ao mesmo tempo, deve investir em Andrey, jovem que estava escanteado com Alberto Valentim e Marcos Valadares.

Um entrave ao bom entendimento entre Luxemburgo e Maxi é a forma física às vezes questionável do centroavante. O treinador tem a fama de exigir dos jogadores que estejam bem fisicamente e, se isso se mantiver, poderá haver turbulências no voo da dupla. Neste cenário, entra o preparador físico Antônio Mello. Campeão brasileiro com o Vasco em 2000, volta ao clube com carta branca para trabalhar com o profissional e a base.

- Quero deixar um legado no Vasco, fazer um trabalho que fique para sempre — disse Mello ao site oficial do Vasco.

Fonte: Extra Online