Opinião: Reforços do Vasco seguem tradição recente

23/06/2019 às 18h47 - CLUBE

Não teve jogo do Vasco essa semana, mas teve reforços chegando. Na sexta-feira foram apresentados o meia Marquinho e o volante Richard, vindos do Atlético-PR e do Corinthians, respectivamente.

São posições carentes no time, mais pela qualidade que pela quantidade de jogadores no elenco. Mas os dois reforços resolverão os problemas do Luxemburgo e da equipe?

Richard vem de uma boa temporada pelo Fluminense no ano passado, o que lhe garantiu o interesse do alvinegro paulistano. Mas chegando ao Corinthians, o volante não teve muitas chances, atuando por 16 jogos este ano. Ainda assim, Richard participou da última rodada do Brasileirão, atuando na derrota corintiana para o Santos. Ou seja, não deve ter problemas de condicionamento físico, já podendo disputar imediatamente uma vaga no meio de campo vascaíno.

Já o Marquinho, com seus 32 anos, é diferente. Quando aventou-se sua chegada, muito se falou da sua boa passagem pelo Flu, sua ida para a Roma do prêmio como melhor jogador do campeonato paranaense deste ano, vencido pelo Furacão.

O que não comentaram é que seu melhor momento no Flu foi há quase uma década, que depois de duas temporadas na Roma o Marquinho foi emprestado para times menores na Itália com idas e vindas ao fraco futebol da Arábia Saudita e que o meia se destacou no estadual jogando com o time de aspirantes do Furacão, evidenciando o nível de competitividade do campeonato paranaense.

Sem falar que, ao fim do estadual, Marquinho decidiu não permanecer no Atl-PR por reconhecer que não teria espaço no seu elenco principal. Com isso, o meia ficou apenas treinando para manter a forma, esperando por propostas. Sua última partida, pelas finais do paranaense, aconteceu em abril deste ano.

Com isso parece óbvio que até o Marquinho ter condições de jogo, ainda levará um tempo. E, não só isso, mesmo quando estiver fisicamente bem, não há como saber se o meia será uma opção melhor que as que já temos no elenco. Veterano por veterano, já temos o Bruno Cesar que, mesmo não rendendo nem de longe o que esperávamos, é mais novo e tem muito mais currículo que o Marquinho.

Dificilmente os primeiros reforços da era Luxemburgo seriam de empolgar a torcida. A realidade financeira do clube é complicada e todos sabemos disso. Mas se a grana a curta, as contratações devem ser cirúrgicas. Reforços devem chegar para, efetivamente, reforçar o elenco. Se o Richard tem potencial para qualificar o time, o Marquinho parece ser apenas mais uma aposta em um veterano. E uma aposta arriscada, diga-se.

Se a vinda do Marquinho foi uma indicação ou mesmo um nome aprovado pelo técnico, o Profexô não fez nada diferente do que tantos outros treinadores que passaram pelo Vasco nos últimos tempos. Ou seja, aceitar como reforços a chegada de jogadores que, normalmente, só farão peso na folha salarial.

Fonte: Futebolzinho