Opinião: Vasco tem vinte anos de crise e renascimento não passa por técnico

13/03/2020 às 00h45 - IMPRENSA

Abel Braga deixou claro que não vai tomar decisão nenhuma de cabeça quente, mas não descartou pedir demissão no dia seguinte à derrota para o Goiás. Não é o mais provável. A tendência é Abel dirigir o Vasco contra o Fluminense, mas nem ele está feliz com o desempenho do pior ataque do Brasil em 2020. São apenas oito gols em treze partidas.

Está claro que o treinador não está conseguindo tirar o melhor desempenho do Vasco, assim como não conseguiu no Cruzeiro, mas estas duas últimas experiências têm muito a ver com as qustões institucionais dos dois clubes. No Flamengo, ele ganhou título, classificou para o mata-mata da Libertadores, mas o time não jogava metade do que está jogando.

Tudo isto é verdade, mas o problema do Vasco é mais grave. Faz vinte anos que o Vasco não briga por nada do tamanho de sua tradição. A torcida compra planos de sócio torcedor, ultrapassa os clubes mais importantes da Europa e o técnico Abel Braga assume dizendo que entende que o Vasco vai pagar quando puder.

Não!

 

Isso era em 1928, quando Domingos da Guia jurava amor ao Bangu e assinava com o Vasco, porque queria ganhar dinheiro. Lógico! Todo mundo é profissional. Como assim, o Vasco entende que pode atrasar cinco meses de direitos de imagem e tudo está bem?
 

É óbvio que isso explode.

Abel não tem sido capaz de fazer um time que faça gols. Oito marcados em 13 jogos é um escândalo. Mas a intranquilidade do time que mais finaliza na Copa do Brasil e que chutou de dentro da área 32 de suas 60 finalizações, justifica-se pela necessiade de fazer gols.

Abel pode até pedir demissão nesta sexta-feira (13). Pode melhorar momentaneamente, mas não vai resolver. Não existe ambiente de trabalho da maneira como o Vasco está trabalhando.

Fonte: Blog do PVC - Globo Esporte