Opinião: De uma vez por todas, os números do confronto Romário x Pelé

20/03/2007 às 23h22 - FUTEBOL

Atendendo a inúmeros pedidos, segue a separação dos 1283 gols de Pelé. Segundo a revista Placar, que chega às bancas na sexta-feira, Pelé tem 720 gols em partidas oficiais, contra 716 de Romário. A conta inclui jogos de seleção apenas por campeonatos. Se você incluir todos os gols pela Seleção (95 de Pelé, 71 de Romário, com jogos das Olimpíadas), a diferença favorável a Pelé sobe: 772 x 743. Ainda uma conta intermediária. Some todos os gols de campeonatos oficiais, como se vê abaixo. Pelé terá 846 em partidas oficiais.
Atenção, estamos aqui falando de jogos de campeonato, porque há muitos amistosos que precisam ser computados.
Veja, abaixo, os gols de Pelé:

Pelé - 1283 gols
Santos - 1086 gols - 714 oficiais, 372 amistosos
Seleção - 95 gols - 43 de campeonato, 52 amistosos
Cosmos - 65 gols - 37 de campeonato, 28 amistosos
Seleção do Exército - 15
Combinado Santos/Vasco - 6
Seleção Paulista - 11
Sindicato dos Atletas - 3
Seleção do Sudeste - 1
Seleção Amigos do Garrincha - 1


Perguntas e respostas para quem contesta e quem defende os mil gols de Romário. Eu defendo. Para mim, hoje são 998 gols, que merecerão um asterisco quando forem mil:
1000 gols*
902 como profissional (hoje são 900)
77 como amador
21 em jogos festivos *
* há quem conte 19, porque dois deles são pela Seleção Carioca, no Brasileiro de Seleções de 1987.

O que se discute:
1. PLACAR publicou que 9 gols marcados pelo PSV em amistosos não existem. Eles estão computados na lista de Romário?
Não, não estão. Esses gols contra Mechelen, Valencia e Barcelona, em amistoso entre 1989 e 1992 não existem mesmo e, por isso, não fazem parte da lista de Romário há um ano e meio. O pesquisador Fernando Mata, responsável pela relação disponível no site do Vasco (www.crvascodagama.com.br) eliminou esses gols após revisão. Por que eles apareceram, então? Provavelmente porque um pesquisador holandês, contratado por Romário, não merecia confiança e os inventou. Mas esses números não fazem parte da lista há aproximadamente 18 meses.

2. Todos os gols como profissional merecem crédito?
Sim, merecem, embora exista uma discordância de critério entre dois pesquisadores vascaínos, Fernando Mata e Gustavo Cortes, sobre doze gols. Os jogos Vasco 3 x0 Seleção de Valença, Vasco 3 x 0 Caratinga e Vasco 9 x 0 Motorista, todos em 1986, são considerados jogos-treino para Gustavo Cortes, que diz ter evidências de que foram partidas disputadas com uniforme de treino. São os casos também de Vasco 2 x 0 Seleção de Rio das Flores (um gol de Romário) e Vasco 6 x 0 Paraíba do Sul (três do baixinho). Mas não há registro definitivo de que uniforme de treino foi utilizado. Fernando Mata considera esses gols como realizados em partidas oficiais, mas admite a possibilidade de que as partidas tenham sido disputadas com uniforme de treino. Considera uma área cinzenta da pesquisa, exatamente porque não há registro preciso. Se foi utilizado uniforme de treino, os gols não têm efeito para estatística. Mas não há como ter certeza disso.
Gustavo Cortes também desconsidera os dois gols marcados nos jogos contra Brasiliense e Figueirense, em 2005. Jogos anulados pelo STJD para efeito de Campeonato Brasileiro. Mas os jogos existiram e Romário marcou.
Em 1987, no jogo Vasco 3 x 0 Seleção de Novos do Senegal, Romário tem um gol em sua lista. Fernando Mata garante que há registro desse gol. Gustavo Cortes afirma que marcaram Zé Sérgio, Tita e Roberto Dinamite, para o Vasco e o Baixinho passou teria passado em branco.

3. Os gols como amador valem?
Desde que Romário começou a divulgar sua lista, há mais de dez anos, eles aparecem. Daí não me causarem espanto, surpresa, nem susto.
Para efeito profissional, não valem. Mas é só dar a informação completa. Dos 998 gols de Romário, 77 foram assinalados como amador. A lista inclui onze pela Seleção Sub-20, 7 pelos infantis do Olaria e 59 entre juvenis e juniores do Vasco.

4. Por que os gols em jogos festivos estão separados?
Embora marcados em partidas disputadas depois de se profissionalizar, os historiadores discordam sobre considerar todos ou uma parte deles. Gustavo Cortes considera exagerado computar jogos como América 11 x 5 Amigos do Luisinho, partida de despedida de Luisinho Tombo. Cortes computa apenas quatro gols em jogos de festa.
Fernando Mata conta 21. Pelé tem gols marcados em jogos-festivos, também. E marcou em amistosos como Santos x Volkswagen Clube.

A discussão, para mim, acaba com a lista. Nela, há de fato 998 gols, todos catalogados. A saber:

Pelo Vasco - 322 gols
Pelo Flamengo - 204 gols
Pelo PSV - 165 gols
Pelo Barcelona - 53 gols
Pelo Fluminense - 48 gols
Pelo Valencia - 14 gols
Pelo Al Saad, do Catar - Nenhum gol
Pelo Miami - 22 gols
Pelo Adelaide - 1 gol
Pela Seleção Principal - 56 gols
Pela Seleção Olímpica - 15 gols
Jogos festivos - 21 gols (estou com Fernando Mata)
Como infantil, juvenil e júnior - 77 gols

Total: 998 gols*
900 como profissional
77 como amador
21 em jogos festivos

Fonte: Blog de Paulo Vinícius Coelho - Lancenet