Os detalhes do balanço patrimonial de 2018

01/05/2019 às 08h10 - FUTEBOL

O Vasco divulgou a pouco mais de uma hora do fim do prazo seu balanço patrimonial de 2018. Com o maior superávit da década, de R$ 64,93 milhões, o Cruz-Maltino destaca também a diminuição da dívida total. O clube gastou menos, por exemplo, com salários no ano passado do que em 2017.

A maior fonte de receita para o bom resultado contábil em 2018 foi a venda do atacante Paulinho para o Bayer Leverkusen, da Alemanha. O jovem jogador foi negociado com o clube europeu por R$ 76,70 milhões, mas "só" R$ 56,6 pagos à vista ao Vasco. Madson (R$ 2 milhões) ao Grêmio, Matheus Vital (R$ 5 milhões) ao Corinthians, Diego Souza (R$ 1,6 milhão) ao Al-Ittihad e Evander (R$ 938 mil) emprestado ao Midtjylland também ajudaram as finanças do Cruz-Maltino.

Enquanto teve o maior superávit da década, o Vasco também conseguiu diminuir sua dívida total em R$ 93 Milhões. Isso não significa, porém, que o Cruz-Maltino teve "lucro", porque o valor arrecadado é, por exemplo, utilizado para pagamentos de dívidas.

Em comparação com outros grandes clubes brasileiros, o Vasco foi o segundo com a maior redução de dívida do país, atrás apenas do São Paulo (R$ 123,4 milhões de redução), mas à frente, por exemplo, de Flamengo e Palmeiras, que aumentaram suas dívidas em R$ 54,7 milhões e R$ 101,4 milhões.

Menos gastos com salários no futebol

Em 2017, o Vasco havia gasto R$ 80,39 milhões com salários durante todo o ano. Já em 2018 conseguiu reduzir esse número para R$ 65,72 milhões. Em contrapartida, aumentou os gastos com direitos de imagem: de R$ 9 milhões para R$ 14,06 milhões). Ao todo, as despesas com o departamento de futebol caíram dois milhões: de R$ 122,895 milhões para R$ 120,769 milhões.

"Assessoria e consultoria"

Em uma página com "outros custos e despesas", o Vasco apresenta R$ 56,968 milhões de gastos em 2018, contra R$ 29,933 milhões em 2017. R$ 18,195 são só de "assessoria e consultoria", item que é explicado logo abaixo:

"Contempla comissões devidas na venda dos jogadores no total R$ 9.131, sendo: “Paulinho” de R$ 7.670, “Douglas” R$ 711 e “Matheus Vital” de R$ 750 em 2018, do atleta Douglas Luiz de R$ 11.412 em 2017. Adicionalmente em 2018 repasse ao jogador “Matheus Vital” de R$ 710. Despesas com consultoria jurídica no valor de R$ 2.298 e Auditoria (BDO), Consultoria contábil (Grant Thornton) e financeira (KPMG) de R$ 1.596."

O balanço patrimonial também apresenta R$ 74,04 milhões adquiridos pelo Vasco em empréstimos com diversas empresas diferentes. Em 2017, a mesma "fonte" gerou R$ 107,172 aos cofres do Vasco.

Em um relatório anexado antes dos resultados contábeis, a auditoria independente BDO diz que as contas do Vasco "apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do Club Vasco da Gama". Mesmo assim, faz algumas poucas ressalvas em relação a números apresentados pelo clube.

Em uma carta anexada ao balanço, que abre o documento, a diretoria administrativa do Vasco, encabeçada pelo presidente Alexandre Campello, coloca o clube como candidato ao topo do futebol brasileiro em até 11 anos.

"Trata-se de um planejamento de médio prazo, visando a mudança de patamar do Clube para um dos maiores clubes de futebol e maior capacidade financeira em 2024, incluindo estrutura de gestão e de apoio de futebol condizentes com esse posicionamento nacional. E, para o longo prazo, especificamente 2030, o Planejamento Estratégico prevê a liderança nacional em estrutura administrativa, força financeira e qualidade do time de futebol".

Fonte: GloboEsporte.com