Os motivos da saída de Valdir Bigode do Vasco

28/12/2018 às 07h10 - FUTEBOL

A decisão do Vasco em dispensar os serviços de Valdir Bigode como auxiliar técnico permanente do elenco profissional passa, fundamentalmente, por dois motivos: a avaliação da diretoria em relação à capacidade do ex-jogador e o desgaste criado pelo longo tempo dele na função, sem a chance real de ser efetivado como treinador.

Valdir foi comunicado da decisão na quinta-feira, em reunião com o diretor de futebol Alexandre Faria. Nela, o ex-jogador ouviu que, como já era considerado preparado para ser treinador, não tinha mais espaço como auxiliar na comissão técnica.

A questão é que a diretoria ainda não considera que Valdir esteja preparado para ser treinador do Vasco.

- Qualquer fim de ano é normal ter saídas. A gente deseja muito sucesso. São decisões internas. As mudanças são naturais de ciclos em cada empresa – disse Alexandre Faria, na coletiva de apresentação do atacante Ribamar.

O Vasco viu em Ramon Menezes, outro jogador com história no clube, uma alternativa mais capacitada para ser auxiliar permanente do profissional. O ex-meia tem licença Pro da CBF e possui experiência como treinador (em equipes como Joinville e Tombense). Ele ocupará a vaga de Valdir em 2019.

Pouco espaço com Valentim

Valdir tem um perfil diferente: com seu jeito simples, aposta no diálogo com os atletas para conseguir resultados. De fato, sai do Vasco invicto: em seis jogos como interino, obteve duas vitórias e quatro empates.

Entretanto, Valdir nunca teve oportunidade real para ser efetivado como treinador. Em entrevistas, deixava claro o desejo de ter uma chance. Isso acabou pesando para que se criasse um desgaste.

- Para chegar onde eu cheguei tem que ser muito inteligente. Não posso ser burro. As pessoas têm o costume de olhar para a roupa, para o bigode antigo... Não subestimem as pessoas. Eu já cheguei. Sou raiz? Sou. Os mais vitoriosos são - disse Valdir, em seu último jogo no comando do Vasco, na vitória por 3 a 1 sobre a Chapecoense.

Desde a chegada de Alberto Valentim, Valdir também perdeu espaço. Ele pouco participava dos treinos comandados pelo técnico, que trouxe seu próprio auxiliar, Fernando Miranda. Contra o São Paulo, por exemplo, foi Miranda quem substituiu Valentim, que estava suspenso.

Além de Valdir, outros três profissionais deixaram a comissão técnica do Vasco: o auxiliar de preparação de goleiros Thiago Mehl, o fisiologista Mauricio Negri e a nutricionista Melina Frota.

Fonte: GloboEsporte.com