Pedida salarial de Juninho foi considerada alta demais pelo Vasco

14/07/2020 às 22h10 - CLUBE

Utilizado nas últimas quatro partidas do técnico Abel Braga, o volante Juninho foi ausência até mesmo do banco de reservas nos jogos do Vasco sob o comando de Ramon Menezes. No entanto, essa decisão não foi tomada pelo treinador, mas sim pela diretoria do clube.

O afastamento foi motivado por conta de divergências na extensão do contrato, que tem duração até o fim de maio do ano que vem. A informação foi publicada inicialmente pelo site do “Globo Esporte” e confirmada pelo Esporte News Mundo.

A reportagem do ENM apurou que o problema foi a pedida salarial, considerada alta demais pelo Vasco, já que Juninho tem apenas 19 anos e ainda é considerado uma promessa das categorias de base. Entretanto, existe um entendimento de que o volante mereça uma valorização. Atualmente o salário dele seria inferior a R$ 5 mil.

Além disso, o Vasco aguarda um desfecho em uma questão pessoal de Juninho, que estaria mudando a gestão de sua carreira. O volante trocaria a empresa MAB Gestão & Intermediações pela UJ Football Talent, que trabalha por exemplo com o zagueiro Éder Militão, do Real Madrid.

O ENM procurou as partes. A MAB, em nota, informou que “o atleta Juninho, do Vasco, possui contrato com a MAB Gestão & Intermediações. Não temos conhecimento do fato relatado e sendo assim não podemos comentar a respeito”. O Vasco não foi encontrado para um pronunciamento oficial até o momento desta publicação.

Fonte: Esporte News Mundo