PM quer que chefes de organizadas respondam judicialmente por torcidas

21/11/2007 às 14h06 - TORCIDA

Germano Soares de Souza, de 44 anos, que estava internado no CTI do Hospital Souza Aguiar, no Centro, teve morte cerebral na noite desta terça-feira, após ter se envolvido numa briga com a torcida Força Jovem do Vasco. Considerado uma pessoa violenta, era membro da Torcida Jovem do Flamengo. A sua morte aumentou ainda mais o clima de tensão para o jogo de basquete entre os dois clubes, nesta quarta-feira, às 20h, no Maracanazinho. A polícia anunciou policiamento reforçado. Foram disponibilizados cinco mil ingressos. Os vascaínos entrarão pela portão 18 e os rubro-negros pela rampa do caracol, próxima à Estátua do Bellini.

Além deste jogo de basquete, Flamengo e Vasco se enfrentarão, nos próximos dias, em partidas decisivas de futebol nas categorias de base e na reta decisiva do Campeonato Carioca de remo. A confusão que resultou na morte de Germano aconteceu na sexta-feira passada, nas ruas do Castelo, antes de um jogo de basquete entre os dois clubes, no Caio Martins, em Niterói. A Força Jovem do Vasco e a Torcida Jovem do Flamengo se encontraram na Praça XV, onde pegariam uma barca para atravessar a Baía de Guanabara. Centenas de pessoas participaram da confusão e 52 pessoas foram conduzidas à 6ª DP (Cidade Nova), mas ninguém ficou detido. Entre eles, havia muitos menores de idade e um foragido da lei.

O comandante do Batalhão de Operações de Estádios (Bope), major Marcelo Pessoa, não é a favor do banimento das torcidas organizadas - como chegou a acontecer em São Paulo -, mas revelou que a partir de agora os seus líderes vão de fato responder judicialmente pelo comportamento nas ruas dos componentes. \"As torcidas organizadas precisam se organizar mesmo. E os presidentes serão responsabilizados porque é um cargo cobiçado, envolve dinheiro\", disse o militar, acrescentando: \"Nós também vamos atrás dessas pessoas que estão incitando a violência pela internet ou através de outros meios\".

Fonte: Globo Online